Para poder inspirar os outros, temos de viver uma vida inspiradora. Quem o diz é Lorna Jane Clarkson, uma guru do bem-estar que se tornou um ícone na Austrália, a sua terra natal, e cujos livros têm corrido o mundo. Este é um mantra que se pode aplicar a todos: para podermos marcar a diferença na vida de quem nos rodeia, temos de ter hábitos que consigam marcar a nossa própria vida. Mas na correria do dia a dia, será que praticamos realmente todos os mantras que defendemos?

Porque nunca é tarde demais para mudar de vida (e não custa tentar), escolhemos 10 mandamentos que, quando praticados, podem realmente fazer a diferença.

1. Aceitarás a tua própria individualidade

Algumas pessoas são boas a matemática, outras têm o dom da cozinha, outras são comediantes, outras têm um estilo incrível, outras cantam, outras sabem dançar… ou seja, somos todos diferentes. E é muito mais saudável aceitar a nossa individualidade do que tentar ser como outra pessoa. Sentirmo-nos bem connosco próprios é meio caminho andado para a felicidade.

2. Dormirás, pelo menos, oito horas por dia

Dormir é fundamental para o nosso bem-estar, certo? Isto não é novidade. Além do envelhecimento precoce e dos danos que a falta de sono provoca na pele, estudos da National Sleep Foundation dizem que a privação de sono também está associada à morte precoce, aumenta o risco de doenças cardíacas e a obesidade. Basicamente, dormir pouco ativa uma área do cérebro que controla o desejo de comer porque o corpo produz menos leptina, a hormona que nos diz que já estamos cheios, e mais grelina, a hormona que nos diz que estamos com fome. Sem dormir não há dieta que resista.

3. Não duvidarás de ti próprio/a

Se há algo que pode destruir alguma ideia ou objectivo ainda antes de estar realizado, são os nossos próprios medos. E duvidar de nós pode fazer-nos sabotar as nossas oportunidades de sucesso. Num artigo sobre o tema, a revista Forbes dá algumas dicas para ultrapassar as dúvidas que, às vezes, temos de nós mesmos:

  • Não é o único com inseguranças (e, como tal, não tem de ter vergonha delas);
  • procurar orientação de outra pessoa experiente ajuda;
  • deve relaxar e focar a sua atenção noutras atividades que afastem os pensamentos negativos;
  • fale consigo próprio. Não, não vai parecer maluco — muitos atletas fazem-no para melhorar o seu desempenho.

4. Serás a tua própria marca

Pensar em nós próprios como a Apple ou como a Zara vai ajudar-nos a ter controle sobre o nosso futuro. Quando falamos em ser uma marca é qualquer coisa como juntar aquilo que os outros dizem de si com aquilo que diz de si próprio – é a identidade profissional que cria na mente dos outros. Por mais que saiba de estratégias de marketing, se fica calado na reunião, ninguém se vai lembrar de si como alguém que sabia muito sobre esse tema. Judith Sills, psicóloga do Psychology Today, dá três dicas:

  • Defenda-se e não permita que os outros digam que o seu trabalho é limitado;
  • fale e mostre tudo aquilo que sabe — mas também saiba admitir o que não sabe. Há uma linha muito ténue entre saber demonstrar os seus conhecimentos e ser arrogante.
  • foque-se nos seus pontos fortes e expresse de forma clara quem é realmente e de que forma os outros podem contar consigo.

5. Não te irás comparar aos outros

Muitas pessoas vivem metade da vida com metas comparativas. Comparam-se na escola, nos desportos, nos bens que têm, nos salários, no tamanho da casa, no carro que conduzem… E, se formos a pensar bem, muito ou pouco, todos o fazemos de duas formas: ou olhamos para o que alguém ao nosso lado está a fazer (e quem diz fazer, diz ter ou ser) e desejamos que o tivéssemos feito também ou, em alternativa, julgamos essa pessoa e achamo-nos superiores. Na realidade, nenhuma das formas nos faz sentir feliz. Em vez de desejarmos ter o que outras pessoas têm, temos de saber apreciar aquilo que conseguimos ter.

6. Limparás a pele todas as noites

A pele é o nosso invólucro. É a primeira mensagem que passamos aos outros. E, além de ser a primeira imagem que os outros têm de nós, é, provavelmente, a primeira coisa que reparamos quando olhamos ao espelho de manhã. Uma borbulha pode mudar toda a percepção que temos da nossa beleza. Daí que está directamente relacionada com o nosso bem-estar emocional e psicológico. Já falámos várias vezes sobre a importância de limpar a pele todas as noites e o mantra que tem de adoptar é simples: uma pele bonita começa com uma pele saudável.

7. Saberás balancear a vida pessoal e profissional

Os estudos mostram-nos que, em situações de desemprego, as relações sofrem abruptamente. Mas, sem amor, também nenhum sucesso profissional sabe bem. O truque passa por saber equilibrar estes dois aspetos da vida. Sabemos que não é fácil — em períodos de crise económica, como os que vivemos, o medo de se perder o emprego faz com que, muitas vezes, coloquemos o foco da vida na profissão. Um estudo realizado pela Harvard Business School diz que 94% dos americanos reportou trabalhar mais de 50 horas semanais e quase metade disse trabalhar mais de 65 horas. Jornadas de trabalho tão intensas são prejudiciais e afetam as relações, a saúde e a felicidade em geral. É preciso saber “desligar” quando se chega a casa, não ver os e-mails de trabalho nos smartphones e não ficar a falar com colegas no Whatsapp sobre problemas laborais. Desta forma, parece que o dia de trabalho nunca acaba.

8. Aceitarás a tua beleza natural

Para cada coisa nossa que não gostamos, há uma solução rápida disponível: injetável ou (facilmente) operável, é verdade. Mas isso não soluciona o problema dentro de nós. Uma pesquisa realizada pela empresa de colchões Ergoflex UK concluiu que uma em cada quatro mulheres dorme com maquilhagem para estar bonita ao lado do companheiro. Como podemos pedir para os outros nos aceitarem quando não nos conseguimos aceitar a nós próprios? Não é fácil explicar a uma jovem mulher que, apesar de não ser parecida com a Kim Kardashian ou a Gigi Hadid, tem uma beleza própria e única. Esta sabedoria vem com o tempo mas o melhor que podemos fazer é encontrar beleza nas particularidades que nos tornam diferentes dos outros.

9. Usarás protetor solar durante todo o ano

“Everybody’s free to wear sunscreen” — lembra-se desta música/vídeo? Na verdade, isto era uma crónica do jornal Chicago Tribune que, em 1999, passou a música pelas mãos do realizador Baz Luhrmann. E o mantra é apenas um: se pudesse dar um conselho ao seu “eu” mais novo, qual seria? Usar protetor solar. Entre todos os motivos por que o protetor solar é o creme mais importante de todos, destacamos o envelhecimento da pele, o cancro e as manchas. Razões mais que suficientes para ter sempre um na mala e usar no rosto, pescoço, peito e mãos, as zonas expostas durante todo o ano.

10. Gastarás mais dinheiro em viagens e menos em ninharias

Viajar é uma das melhores formas de desenvolver carácter. Ao estarmos rodeados de cidades, pessoas, culturas e vidas diferentes, tornamo-nos mais abertos e conseguimos apreciar, de certa forma, aquilo que temos em casa e a dar mais valor aos nossos costumes. Quer escolha tirar uma semana ou uns meses para conhecer outros sítios no nosso planeta, estarmos longe da nossa zona de conforto faz com que nos conheçamos e aprendamos coisas sobre nós que pensávamos que não tínhamos. E isto é bagagem que fica para a vida. E mais: viajar é uma excelente fase de transição. Entre escolas, empregos, relações… funciona como uma maneira de encerrar capítulos e abre-nos a mente para novas possibilidades.