Maioria dos "cérebros" que fugiram tinha emprego em Portugal

Afinal o que leva os jovens qualificados portugueses a sair do país não é tanto o desemprego, mas a busca de maior sucesso profissional e melhores salários. Maioria não pensa regressar em breve.

i

Cerca de 35% dos jovens qualificados emigrados são das áreas das ciências, matemática e informática

FREDERIC J. BROWN

Cerca de 35% dos jovens qualificados emigrados são das áreas das ciências, matemática e informática

FREDERIC J. BROWN

O fenómeno da “fuga de cérebros”, sentido sobretudo desde a chegada da troika (2011), é sobejamente conhecido, mas o que alguns poderão não saber é que, afinal, os jovens qualificados não emigram à partida porque estão desempregados. De acordo com o estudo “Fuga de Cérebros: a Mobilidade Académica e a Emigração Portuguesa Qualificada”, mais de metade dos inquiridos que emigraram estavam empregados em Portugal quando decidiram ir embora.

Dos 1.011 emigrantes que responderam ao inquérito, 53,8% disseram que estavam empregados em Portugal quando tomaram a decisão de partir, 10,1% estavam empregados ocasionalmente (subempregados) e 36,1% estavam desempregados.

Então porque emigram os trabalhadores qualificados? Vão em busca de realização profissional. A quase totalidade dos inquiridos neste estudo (95,4%), que foi apresentado esta sexta-feira no Porto, apontou razões profissionais (carreira, realização) como o principal motivo para abandonar o país de origem, logo seguidas de razões económicas (80,6%), como melhores salários e fuga a uma situação de desemprego.

Emigrantes qualificados | Create infographics

E a aposta parece que tem estado a correr bem para a grande maioria dos que decidiram ir embora. Tanto assim é que 95% dos homens e 90% das mulheres estão empregados nos países para onde emigraram, denotando uma boa integração no mercado de trabalho para onde emigraram”, lê-se no resumo deste estudo. E não só estão empregados como uma maior fatia está empregada em trabalhos compatíveis com a formação académica: 75% contra os 54% que diziam estar a desempenhar funções para as quais estudaram, em Portugal.

Aliados à realização profissional surgem ainda salários mais altos. Mais de 70% dos inquiridos recebiam, em Portugal, menos de 1.000 euros por mês. E, segundo este estudo, mais de metade recebem mais de 2.000 euros, sendo que 26,6% dos emigrantes qualificados recebem mesmo acima de 3.000 euros. Frise-se, porém, que foi para o Reino Unido que grande parte deles emigrou e que lá o custo de vida também é muito superior.

A integração está a correr tão bem que a maioria dos inquiridos projeta-se numa situação de emigrante para “toda a vida” no atual país de residência ou noutro país europeu. E só razões profissionais e económicas os fariam voltar ao país de origem.

“Fuga de cérebros” custa 8,8 mil milhões aos cofres públicos

Este grupo de investigadores dedicou ainda uma parte do estudo ao cálculo do custo da “fuga de cérebros” para os cofres portugueses. E tendo em conta as estimativas de custos público e privado com a formação superior dos estudantes em Portugal, e o número de emigrantes com formação superior, os investigadores chegam à conclusão que o total despendido pelo país na formação dos quase 146 mil emigrantes portadores de formação superior – de acordo com o Census 2010/11 – rondou os 8,8 mil milhões de euros.

“Ou seja, o montante oferecido a custo zero aos países que receberam estes diplomados representa o que o Estado Português gastaria com o ensino superior público em dez anos“, lê-se num pequeno resumo do estudo.

O estudo foi coordenado por Rui Machado Gomes, da Universidade de Coimbra, envolveu centros de investigação das universidades de Coimbra, Lisboa e Porto e foi financiado pelo Fundos Feder/Compete e por fundos nacionais da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Recomendamos

Populares

Últimas

A página está a demorar muito tempo.