Cerca de 213 mil pessoas pediram asilo na União Europeia no segundo trimestre deste ano, um aumento de 85% quando se compara este número com o que acontecia há um ano. Um terço dos refugiados chegam da Síria e do Afeganistão.

Os números oficiais foram dados a conhecer esta manhã pelo gabinete de estatística das comunidades europeias, o Eurostat. Os dados mostram que o número de pessoas a pedir pela primeira vez asilo a países da União Europeia cresceu 15% face ao primeiro trimestre do ano.

O aumento é dramático quando se compara com os mesmos três meses do ano anterior, verificando-se uma subida de 85%.

Destes 213 mil, 44 mil são oriundos da Síria e 27 mil do Afeganistão.

Quanto aos países que estes refugiados procuram, a Alemanha é de longe o país que mais pessoas procuram. Segundo as contas do Eurostat, a Alemanha terá recebido quase 81 mil pedidos de asilo, 38% do total de pedidos.

O segundo país com mais pedidos de asilo é a Hungria, com mais de 32 mil pessoas a procurarem terras húngaras, o que representa um total 15,3% de todos os pedidos feitos.

Assim, só Alemanha e Hungria receberam, no segundo trimestre, mais de metade dos pedidos de asilo na União Europeia. Portugal, por exemplo, recebeu apenas 250 pedidos.

Cenário atual é muito pior

Estes são os dados mais recentes publicados pelo Eurostat mas os desenvolvimentos recentes sugerem que estes números serão largamente ultrapassados.

No caso da Croácia, por exemplo, nos primeiros seis meses do ano foram feitos apenas 65 pedidos de asilo. Segundo as autoridades croatas, só desde quarta-feira o país já recebeu 13 mil pessoas.

A própria Alemanha espera que o número de refugiados ultrapasse os 800 mil, quando nos primeiros seis meses do ano recebeu perto de 155 mil pedidos de asilo.