Rádio Observador

Transportes Públicos

Portalegre volta a ter comboios de passageiros com ligação a Lisboa

144

Portalegre voltou a ter, pelo menos durante os próximos seis meses, comboios com ligação a Lisboa, Porto e Coimbra. O secretário de Estado dos transportes diz que "foi devolvida" a esperança à região.

MARIO CRUZ/EPA

O secretário de Estado dos Transportes afirmou esta sexta-feira que foi “devolvida a esperança” às populações do Alto Alentejo com o regresso dos comboios de passageiros entre Portalegre e Entroncamento, que têm ligações a Lisboa, Porto e Coimbra.

Sérgio Monteiro falava aos jornalistas, em Portalegre, após a a assinatura de um protocolo, que estabelece a reativação do traçado ferroviário, entre a CP – Comboios de Portugal, os municípios de Portalegre, Alter do Chão e Ponte de Sor, Instituto Politécnico de Portalegre (IPP), Infraestruturas de Portugal e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA).

O regresso dos comboios à Linha do Leste, a partir do dia 25 deste mês, vai permitir às populações da zona de Portalegre, sobretudo aos estudantes do Politécnico, mais uma alternativa em termos de transportes, com ligações, a partir do Entroncamento, a Lisboa, Porto e Coimbra, segundo o acordo estabelecido.

“Nós sempre defendemos esta aproximação, uma aproximação que permita a conjugação de esforços para gastar menos, mas ao mesmo tempo para desenvolver algum bem-estar às populações”, disse o secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro.

O serviço de transporte ferroviário de passageiros entre Portalegre e Entroncamento é restabelecido, a partir do dia 25 deste mês, por um período de seis meses, às sextas-feiras e domingos, sendo depois feita uma avaliação.

Na cerimónia de assinatura do protocolo, o presidente do Politécnico de Portalegre, Joaquim Mourato, congratulou-se com o regresso dos comboios de passageiros ao distrito, recordando que a rede de transportes no Alto Alentejo tem sido “insuficiente” e um “forte constrangimento” ao desenvolvimento regional.

A presidente do município de Portalegre, Adelaide Teixeira, também se congratulou com o acordo alcançado, mas alertou que o distrito vive também alguns “constrangimentos” em termos de oferta do transporte rodoviário de passageiros.

A linha ferroviária do Leste, entre Entroncamento e Elvas, encerrou ao serviço de passageiros em janeiro de 2011, na sequência do Plano Estratégico de Transportes (PET).

Na altura, a CP alegou que viajavam por ano 28 mil pessoas neste eixo e que registava um prejuízo anual de 1,2 milhões de euros.

Em Agosto deste ano, a CP informou que estava a estudar soluções para reforçar a sua frota em 2016.

CDU classifica decisão como demagógica e propagandista

Manuela Cunha, dirigente do Partido Ecológico Os Verdes (PEV) e cabeça de lista da CDU ao distrito de Portalegre, acusou o Governo e a coligação de “demagogia e propagandismo”, após o anúncio do Secretário de Estado dos Transportes de que o distrito voltaria a ter comboios com ligação aos distritos de Lisboa, Porto e Coimbra, às sextas-feiras e aos domingos à noite.

A declaração, veiculada num comunicado dirigido à imprensa pelo partido “Os Verdes”, foi proferida durante a apresentação do compromisso eleitoral da coligação PCP/PEV para o distrito, numa cerimónia que abriu oficialmente a campanha para as eleições legislativas de Outubro, e que decorreu junto ao Plátano do Rossio.

Manuela Cunha reclama que de defesa dos transportes ferroviários “sempre foi uma bandeira da CDU”, e afirma que a decisão do Governo apenas demonstra que as propostas da coligação de esquerda “são justas e vão de encontro às necessidades das populações”.

O compromisso da CDU defende a necessidade urgente de investimento no transporte ferroviário – de passageiros e de mercadorias – como meio privilegiado de ligação de Portalegre ao resto do país e a Espanha. A CDU defende ainda que esta defesa será fundamental para “o desenvolvimento sustentável do distrito”, e originará “grandes benefícios económicos, ambientais e energéticos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Transportes Públicos

A CP e a Festa dos Tabuleiros

João José Brandão Ferreira

Já alguém fez contas a quanto as Finanças deixariam de arrecadar em impostos nos combustíveis se a maior parte dos portugueses deixasse o carro para andar encaixotada nos transportes públicos?

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)