Rádio Observador

Mercados Financeiros

Dívida pública aumentou para 290 mil milhões em julho

1.423

A dívida pública atingiu 290 mil milhões de euros em julho, mais cerca de 1,3 mil milhões de euros do que em junho, segundo os dados do Banco de Portugal.

Autor
  • Agência Lusa

A dívida pública atingiu 290 mil milhões de euros em julho, mais cerca de 1,3 mil milhões de euros do que em junho, segundo os dados do Banco de Portugal hoje divulgados.

Em julho, a dívida do setor público não financeiro fixou-se em 290,033 mil milhões de euros, o que representa 1298 milhões de euros acima do registado em junho, tendo em conta a informação disponibilizada no Boletim Estatístico.

Quanto à dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, esta foi de 227,112 mil milhões de euros em julho, mais cerca de 1,7 mil milhões do que no mês anterior.

Descontando deste valor os depósitos da administração pública, o montante é então 212,269 mil milhões de euros, neste caso mais 1,5 mil milhões de euros.

Para o mês de julho, o Banco de Portugal não refere o valor da dívida em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB), uma vez que esse só é divulgado no final e cada trimestre. Em junho, a dívida na ótica de Maastricht tinha recuado para os 128,6% do PIB.

O Governo estima que a dívida pública se reduza para os 124,2% do PIB no final deste ano, uma previsão mais otimista do que a da Comissão Europeia, que antecipa que o endividamento público português feche o ano nos 130,2% do PIB.

Excluindo os depósitos da administração pública, o Governo prevê que a dívida pública seja de 116,5% do PIB no final de 2015.

Ainda quanto aos dados de Portugal hoje divulgados, olhando para o setor privado, o endividamento baixou em julho, ainda que ligeiramente.

A dívida das famílias caiu em julho 426 milhões de euros face a junho para 266,780 mil milhões de euros.

Redução houve também no endividamento dos particulares, de 314 milhões de euros para 145,834 mil milhões de euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)