Os homens que aos 27 anos não conseguiram atingir os seus objetivos profissionais podem sentir-se menos felizes quando forem mais velhos, sugere um estudo da Universidade de Edimburgo. Para chegar a estes resultados, a equipa de investigadores estudou 174 pessoas de entre aquelas que tinham feito parte da amostra de um estudo chamado “6-Day Sample Study”. Este estudo incluía 1208 pessoas que nasceram num determinado período de seis dias em 1936 e que foram entrevistados entre 1947 (aos 11 anos) e 1963 (aos 27 anos).

Ao conversar com eles 52 anos mais tarde, os investigadores aperceberam-se que quanto maiores tinham sido as dificuldades encontradas no início da carreira, menor a sensação de “missão cumprida” e bem-estar aos 77 anos. Pelo contrário, aqueles que no início do percurso profissional tinham conseguido alcançar as metas que haviam delineado tinham maior tendência para ver um maior significado na sua vida.

Caroline Brett, que liderou a investigação, explicou ao Telegraph que “nos homens, inícios de carreira instáveis ou a falta de realização de objetivos, parecem estar negativamente relacionados com a visão subsequente da vida e em como ela fez ou não sentido em idades mais tardias”.

Nas mulheres, a realidade parece ser diferente. Apesar de também elas darem importância às metas alcançadas durante a vida, essas metas são diferentes daquelas que satisfazem um homem: enquanto eles dão mais ênfase à estabilidade e aos cargos que ocupam, elas sentem-se felizes quando alcançam níveis superiores de educação ou conseguem subir nos estratos sociais.

Ao Independent, a investigadora sublinha que estes dados estão em muito relacionados com o ambiente histórico e social que se vivia quando estes septuagenários estavam ainda em início de carreira. “Estes homens e mulheres entraram no mercado de trabalho no início dos anos 50, quando as oportunidades eram muito diferentes das que são hoje”, explica Caroline Brett. É que, nesta época, a empregabilidade para um homem era quase total, enquanto as mulheres se dedicavam à vida familiar e à casa.