Rádio Observador

Sporting

Quando quase tudo sai mal e só Montero acerta

Passes errados que pareciam fáceis e a equipa a por-se a jeito de contra-ataques. O Sporting teve mais um jogador em campo desde os 32', mas só aos 86' fez o 1-0 que o mantém colado ao FC Porto.

Com este golo, Montero tornou-se no homem que marcou os golos do Sporting nos últimos três jogos que os leões fizeram contra o Nacional. Este valeu a primeira vitória da época em Alvalade, para o campeonato

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

É um hábito que o Sporting deu aos jornalistas. Um dia ou dois antes de cada jogo a contagem dos e-mails por ler ganha um número. Abre-se a caixa de entrada e lá está uma mensagem enviada pela comunicação dos leões. O conteúdo nunca varia nem foge ao essencial: estes e-mails servem apenas para revelar os convocados para o próximo jogo. Há lá sempre uma lista de nomes e a última não é normal porque entre o 17 de João Mário e o 19 de Téo Gutiérrez não está o 18 de André Carrillo. Dizem que aconteceu pelo segundo jogo seguido porque Bruno Carvalho não quis o que Jorge Jesus queria e obrigou-o a desconvocar o peruano que não quer renovar.

No meio de tanta picardia de intenções Gelson Martins sorriu porque à estreia a titular na Liga Europa seguiu-se outra no campeonato. O miúdo deu velocidade na direita para compensar a pausa de Bryan Ruiz à esquerda, mas aos 12’ arranca com rapidez a mais para receber o senhor passe que João Mário, a 30 uns metros, faz para que a bola o encontre na área. Ele viajar pelo ar, bate na relva e ressalta demasiado alto para que o extremo a domine como deve ser. Três minutos depois fá-lo bem para receber um passe de Slimani e rematar a bola rasteira, ao lado do poste. Durante muito tempo isto é do melhor que se vê o Sporting fazer. Os passes não ajudam porque saem muitas vezes mal, sobretudo entre Téo e Slimani ou Adrien e João Mário, as parcerias que mais deviam funcionar na equipa mas não que demoram a atinar.

A atacar, os leões parecem preocupar-se apenas em fazer as coisas rápido sem garantir que elas são bem feitas. É o risco em troca do calculismo e com isto as jogadas sofrem. O Nacional da Madeira não arrisca na pressão, talvez por Manuel Machado já ter muitos anos disto (já vão quase 300 jogos a treinar na primeira liga), ter visto as últimas partidas do Sporting e saber que a equipa de JJ tem andado a precaver-se muito pouco contra os sarilhos que são as bolas perdidas no meio campo contrário — são elas que dão contra-ataques ao adversário e têm mostrado como o Sporting ainda não os consegue prevenir. Ou parar. Até ao intervalo os madeirenses têm uns quatro ou cinco em que chegam à área leonina com tantos jogadores a atacar quantos o Sporting tem a defender, e só acabam a rematar porque o últimos dos passes é sempre mal feito.

A pressão e os jogadores a quererem logo roubar a bola, à queima, nunca sai aos leões, e não há uma vez em que o Sporting recupere uma bola segundos depois de a perder no ataque. Entre os sustos há uma bomba que Jefferson dispara a 30 metros da baliza para Rui Silva desviar para o lado, aos 23’, e um remate frouxo de Slimani, aos 28’, num livre combinado para deixar o argelino sozinho na área. A bola passa mais de 60% do seu tempo em pés leoninos e a companhia aumenta a partir dos 32’, quando o lateral esquerdo Sequeira vê o segundo amarelo ao derrubar Slimani com um encosto de ombro. O jogador a mais não muda grande coisa e até toda a gente ir descansar os leões não rematam uma vez à baliza madeirense. O Sporting chegava ao intervalo sem golos marcados, algo que só acontecera duas vezes — contra o CSKA e o Lokomotiv, as equipas de Moscovo que deram as únicas derrotas da época.

Nacional's defender Nuno Sequeira (L) is shown a red card by referee Fabio Verissimo (R) during the Portuguese Liga football match Sporting CP vs CD Nacional at the Alvalade stadium in Lisbon on September 21, 2015. AFP PHOTO/ PATRICIA DE MELO MOREIRA (Photo credit should read PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/Getty Images)

Foi a segunda vez nesta liga que o Sporting ficou com mais um jogador em campo que o adversário. Já acontecera frente à Académica, na segunda jornada. Foto: PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/Getty Images

Depois a bola fortalece a amizade com o Sporting e amua com o Nacional. O homem a menos nota-se, e bem, na segunda parte, e mostra como jogar com 10 bem mais tramado quando se tem de atacar do que nas alturas em que se defende. Os madeirenses deixam de conseguir lançar contra-ataque e as bolas pelo ar e passes com pressa que tentam fazer chegar a Soares, o avançado, são quase sempre bloqueados por Paulo Oliveira. Os leões passam a estar tranquilos atrás sem que ficarem certeiros à frente.

Os passes que parecerem fáceis mas acabam mal feitos sucedem-se. Ruiz não dá nada ao jogo enquanto é um meio-extremo, meio médio, e Gelson, do outro lado, repete fintas e não cruza quando tem espaço para o fazer — como Carrillo fazia, há uns anos. João Mário não vê espaços para inventar passes no meio dos madeirenses que se juntam em torno da área. E Jefferson nem por uma vez tira um cruzamento tenso, dos bons, que sempre costuma tirar — nem ele, nem ninguém. Os minutos passam, a pressa aumenta e a pressão também, porque em jogo está a hipótese de, em caso de três pontos conquistados, igualar o FC Porto no topo do campeonato e ficar com quatro a mais que o Benfica. Slimani, primeiro com a cabeça (59′) e depois com o pé direito (79′), consegue rematar a bola na área, mas a fixa sempre a mira nas mãos de Rui Silva. Pelo meio o Sporting não arranja maneira de seduzir os jogadores do Nacional a distraírem-se com os passes trocados à sua frente ou com a vontade de tentarem roubar a bola aos leões.

O tempo corria e “cada minuto que passava tornava a tarefa mais difícil”, dizia Fredy Montero, no final, enquanto bebericava água depois de entrar aos 54′. Não estava para sorrisos, embora fosse o único a ter razões para isso. Porque depois de, na área, disparar uma bomba que passou muito pouco ao lado do poste, o colombiano resolveu sair da área, ir à esquerda do ataque e tocar na bola que pouco lhe chegava. Pediu-a, virou-se, deu um passe para encontrar Carlos Mané na área e pôs-se a mexer para dar à jogada uma tabela. O português percebeu, devolveu-lhe a bola e o avançado, de primeira, rematou em jeito para fazer o 1-0 a uma equipa que além de se fartar de defender, fê-lo sempre bem. O estádio explodia com o barulho dos adeptos, o relógio estava nos 86′. O que faltava jogar não foi nada tranquilo, já que os passes que pareciam simples continuaram a ser falhados e um Nacional com 10 passou, de repente, a atacar como se tivesse 11. O golo não fez com que o Sporting controlasse, de vez, o jogo, mesmo que, antes de o árbitro dar o último apito, Mané ainda pudesse ter marcado com um remate de canhota à entrada da área.

O fim do jogo foi um alívio valente, mesmo que Jesus tenha abanado a cabeça e negado que o Sporting andou uma hora e meia ansioso com a hipótese de se manter colado a um rival e de fugir a outro. Os leões tiveram a paciência de manter um adversário encostado à área enquanto as tentativas de o desmontar não saíam bem. Valeu-lhe a confiança que hoje mora com Fredy Montero e que tanta diferença no jogador que o colombiano é quando a tem — foi o segundo jogo seguido em que começou no banco e entrou para marcar. À décima partida na temporada o Sporting voltou a não sofrer golos, algo que já não acontecia desde 9 de agosto, quando conquistou a Super Taça. Já era algum tempo, mas não tanto como o que passou desde a última vez em que os leões tiveram 13 pontos com cinco jornadas feitas no campeonato: não acontecia desde 1995/96, quando o bigode de Carlos Queiroz ainda mandava em Alvalade.

O Sporting continua sem Carrillo, mas continua também, já dizia JJ, a liderar o campeonato a par de um adversário “que tem jogadores de muita qualidade” e tem agora mais quatro pontos do que “um bicampeão”. E conseguiu-o numa noite em que quase tudo emperrou menos a confiança de um colombiano que nem sempre a tem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)