O banco central espanhol alertou, na segunda-feira, para os riscos financeiros de uma potencial separação da Catalunha do resto de Espanha, a poucos dias das eleições, vistas como um voto indireto à independência.

O governador do Banco de Espanha, Luis Linde, disse que, caso a Catalunha opte por se separar, sairá da zona euro e perderá acesso ao crédito do Banco Central Europeu. O alerta de Linde surge no seguimento de vários outros vindos de líderes europeus e grandes bancos comerciais.

Os líderes nacionalistas na Catalunha prometeram declarar independência dentro de 18 meses se vencerem nas eleições de 27 de setembro.

“Deixar a União Europeia significa deixar automaticamente a zona euro”, deixando os bancos catalães “sem acesso ao BCE”, disse o governador, acrescentando que há o risco, apesar de “altamente improvável”, que a Catalunha tenha de impor restrições bancárias, como fez a Grécia em junho, no pico da crise da dívida.

O presidente catalão, Artur Mas, criticou Linde, dizendo que era “irresponsável e indecente ameaçar com coisas que ninguém num país democrático ousaria insinuar”. “Fazem-no porque não têm qualquer outro argumento”, declarou.