Rádio Observador

Espanha

Pep, “el noi de Santpedor” que sonha com uma Catalunha independente

O treinador catalão é candidato a deputado no parlamento regional e só tem um objetivo: ver nascer um novo país. Mas chamar notáveis para a campanha não é exclusivo dos independentistas.

JOSEP LAGO/AFP/Getty Images

Autor
  • João Pedro Pincha

Em português, Sant Pere d’Or significa São Pedro do Ouro. É daí que deriva o nome de uma terra pequena, mas cheia de História, perdida entre as serranias da Catalunha: Santpedor. Se não fosse por lá ter nascido um dos maiores ídolos do futebol catalão, Santpedor estaria muito provavelmente votada à indiferença e teria apenas para mostrar ao mundo os muitos vestígios medievais que pululam no centro histórico. Mas em Santpedor nasceu Pep Guardiola, jogador e treinador de futebol, independentista convicto e candidato às eleições regionais que se disputam no próximo domingo.

El noi de Santpedor (tradução: o miúdo de Santpedor), como Guardiola é carinhosamente tratado por aquelas bandas, não tem quaisquer hipóteses de ser eleito, pois ocupa o último lugar das listas do Juntos Pelo Sim à região de Barcelona. Isso, no entanto, não impediu que a pequena vila fosse invadida por jornalistas nos últimos meses. Em maio, quando o Barcelona jogou contra o Bayern para a Liga dos Campeões, o povo dividiu-se entre o apoio ao filho da terra (que treina os alemães e tem um estádio com o seu nome ali) e o apoio aos blaugrana. Numa coisa todos parecem estar de acordo: Santpedor quer a independência da Catalunha tão rapidamente quanto possível. Como Pep.

“Já não há volta atrás”, diz o treinador catalão neste vídeo. Mais à frente, explica o que um amigo economista lhe perguntou:

Pep, imaginas-te um dia a ter a plena soberania para fazer um Estado próprio a partir do zero? Fazer tudo desde o zero? Com os melhores economistas para fazer uma economia mais próspera e mais justa? Com os melhores juristas que façam as melhores leis? Com o fator de identidade que é a língua? Esta é a possibilidade que temos, de fazer um país novo, desde o zero, mais justo para todas e para todos.”

Pouco depois, cita o cantor e também candidato eleitoral Luís Llach:

Esta é a maior revolução democrática que existiu nos últimos anos.”

A descrição idílica que Guardiola faz de uma Catalunha livre parece contrastar com o que têm dito os partidos anti-independência nos últimos dias, bem como com o que tem feito manchetes nos jornais de Madrid: que o país não será reconhecido por ninguém; que sairá da União Europeia; que os catalães não vão poder levantar dinheiro; que não vão ter acesso às reformas e, last but not least, que o Barcelona vai deixar de jogar na Liga Espanhola.

Ainda esta terça-feira, o primeiro-ministro espanhol — que anda há vários dias em campanha sob o lema de que há uma Catalunha que está a ser silenciada — voltou a descrever o líder da Generalitat, Artur Mas (do Juntos Pelo Sim), como “uma ameaça” para os próprios catalães. “Em Espanha, a lei vai ser cumprida e vai-se respeitar a unidade do nosso país e a soberania nacional. É a minha obrigação”, disse Mariano Rajoy em entrevista à rádio Onda Cero.

A entrevista não passou despercebida aos jornais catalães, que rapidamente escreveram que Rajoy demonstrou fraco conhecimento da Constituição espanhola. É que o primeiro-ministro deu a entender que os catalães, uma vez a região se separasse, perdiam o direito à nacionalidade espanhola. Ora, a lei fundamental do país proíbe-o. O El Periódico e o Ara, abertamente independentistas, noticiaram a gafe e assinalaram uma aparente contradição entre o facto de Rajoy se escudar na Constituição para impedir a separação da Catalunha e não saber o que lá está escrito.

Até ao último voto…

Mas voltando a Pep. A decisão de se juntar a uma lista eleitoral pela independência não surpreendeu ninguém, escrevem o El Mundo e o El Confidencial. É que o treinador, outrora estrela dos relvados no Barça, sempre apoiou a secessão catalã. E agora que o seu nome aparece em último lugar da lista de candidatos a deputados pelo círculo de Barcelona, até a casa dos pais, em Santpedor, serviu de base à campanha pelo sim. O líder das listas, Raül Romeva i Rueda, dormiu lá uma noite.

Apesar de estar num lugar não-elegível e de a campanha que faz se reduzir a uns quantos vídeos promocionais, o nome de Guardiola dá notoriedade à candidatura do Juntos Pelo Sim, que está, segundo todas as sondagens, a caminho de uma enorme vitória eleitoral. Para lá de Pep e Luís Llach, o Juntos Pelo Sim conseguiu atrair vários escritores e figuras públicas para as listas — além de ter recebido o apoio de muitas pessoas em toda a Catalunha. O mais recente veio de um grupo de cientistas proeminentes, que querem ver a ciência mais financiada no novo Estado.

Daqui até domingo, todos os partidos vão apostar tudo por tudo pelo voto dos muitos indecisos que ainda há. Rajoy continuará por terras catalãs; o líder do PSOE Pedro Sánchez vai puxar o histórico socialista Filipe González para a campanha; Pablo Iglesias vai tentar aumentar a influência do Podemos no país e Albert Rivera, dos Ciutadans, vai querer consolidar o segundo lugar que os estudos de opinião lhe apontam. Para isso recorre a uma carismática cabeça-de-lista, Inés Arrimadas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)