A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), regulador brasileiro, confirmou que recebeu e está a analisar um pedido de reavaliação da fusão entre a operadora Oi e a antiga PT SGPS, atual Pharol, apresentado pelo acionista brasileiro Polo Capital.

“A CVM recebeu um pedido de reanálise da fusão sim, foi aberto um processo que está em análise”, disse fonte da CVM, adiantando que sempre que o regulador recebe uma reclamação é este o procedimento seguido.

O jornal Negócios noticiou hoje que o regulador do mercado financeiro brasileiro “está a analisar o pedido da reavaliação da fusão entre a Oi e PT, hoje Pharol, feito pelo acionista brasileiro Polo Capital” e que “a gestora alega que a renegociação do negócio no seguimento do caso Rioforte beneficiou apenas os controladores da Oi”.

O jornal escrevia na sequência de uma outra notícia hoje divulgada pelo jornal Valor Econômico, segundo o qual a gestora de recursos Polo Capital solicitou à CVM “que reavalie seu entendimento sobre a operação de fusão entre Oi e Portugal Telecom (PT)”.

“A gestora, que possui ações ordinárias da Oi, diz que os fatos ocorridos a partir da perda de 897 milhões de euros do caixa da tele portuguesa, aplicados na Rioforte, ‘holding’ falida do Grupo Espírito Santo, mostram que o resultado final da operação foi um benefício particular para os controladores da Oi, que equacionaram suas dívidas”.