A Eslováquia vai apresentar uma queixa ao tribunal europeu contra a distribuição obrigatória dos refugiados com base no sistema de quotas, declarou hoje o primeiro-ministro eslovaco, Robert Fico.

“A Eslováquia não tem a intenção de respeitar as quotas obrigatórias. Nós apresentaremos uma queixa no Tribunal (de Justiça da União Europeia), no Luxemburgo”, disse Fico aos jornalistas, em referência ao acordo aprovado para a distribuição de 120 mil refugiados, que tem a oposição da Eslováquia e de três outros países do leste europeu, segundo o site do jornal eslovaco SME.

O primeiro-ministro social-democrata fez esta declaração depois de uma reunião do Governo sobre a questão dos refugiados.

O político eslovaco reconhece que ao recusar acolher refugiados como prevê o acordo em questão, a Eslováquia arrisca ser processada por violar a legislação europeia.

Robert Fico sublinhou que, do seu ponto de visa, os migrantes não se querem estabelecer na Eslováquia, mais sim transitar para países como a Alemanha e a França.

O primeiro-ministro checo, Bohuslav Sobotka, adotou uma posição mais moderada, apesar de o seu país ter votado contra o acordo de repartição dos refugiados.

“Mesmo que não me agrade o sistema de quotas, eu não estou de acordo com isso e o nosso país votou contra ele, a Europa não deve se dividir sobre a solução de crise migratória”, disse hoje Sobotka, segundo a agência CTK.

“É por isso que não quero fazer aumentar a tensão”, referiu ainda.