Rádio Observador

China

“Não há ‘House of Cards'”, diz Xi Jinping sobre a luta contra a corrupção na China

O presidende chinês, Xi Jinping, está de visita oficial aos Estados Unidos da América e à ONU entre 22 e 28 de setembro. O líder chinês tem aproveitado a visita para melhorar a sua imagem. Com humor.

Xi Jinping tem aproveitado a viagem oficial aos EUA para mudar a sua imagem e até tentou o recurso ao humor

Getty Images

O presidende chinês, Xi Jinping, está de visita oficial aos Estados Unidos da América e à ONU entre 22 e 28 de setembro. Jinping tem aproveitado a viagem para se promover e melhorar a sua imagem no exterior, em especial depois dos escândalos de corrupção em que o partido comunista chinês se tem visto envolvido.

No primeiro dia da visita oficial, o People’s Daily  (Diário do Povo) – o jornal oficial do Partido Comunista Chinês – publicou um vídeo de propaganda onde vários estudantes estrangeiros que vivem na Pequim tecem rasgados elogios à humildade e inteligência do líder chinês a quem desejam uma boa visita aos EUA. Mas os louvores ao Presidente Jinping não se limitam à sua personalidade.

A beleza – sim, a beleza – de “Xi Dada”, que significa “Tio Xi”, também é elogiada. “É bonito. E sim, ele é super carismático,” diz uma rapariga americana no vídeo. “Se o meu futuro marido for como ele, serei feliz”, diz uma estudante coreana que o considera “um cavalheiro”.

O vídeo gerou comentários menos positivos da rede social Twitter que desconfiam da autenticidade dos relatos.

Depois da publicação do vídeo, na terça-feira, no segundo dia da visita oficial aos EUA, Xi Jinping tentou estar à altura dos elogios e ensaiou um pouco de humor, durante um discurso em Seattle. Muitos têm sugerido que a campanha anti-corrupção que  líder chinês pôs em marcha tem um duplo objectivo. O de lidar com o escândalo que nos últimos três anos tem envolvido o seu partido, mas também estará a ser utilizada para eliminar rivais políticos.

“Isso não tem nada a ver com lutas de poder, Neste caso, não há ‘House of Cards’,” disse Jinping durante o discurso. A referência caiu bem quer aos ouvidos da sua audiência norte-americana, onde a série já é considerada de culto, como à dos seus colaboradores e eleitores.

A série também goza de enorme popularidade em terras do sol nascente e Wang Qishan, o chefe do organismo anti-corrupção de Pequim, é conhecido por ser um fã.

Mas a piada encerra mais ironia do que provavelmente Xi Jinping pretendia, recorda a CNN. O Presidente Chinês dedicou uma parte significativa do seu discurso ao  cibercrime e assegurou que Pequim está empenhada na luta contra a pirataria e proteção dos direitos de propriedade intelectual.

E “House of Cards” é uma das séries mais descarregadas ilegalmente em todo o mundo. Nas primeiras 24 horas após o lançamento da terceira temporada foi descarregada 681,889 mil vezes em todo o mundo, diz a Variety baseada em dados recolhidos pela Excipio, uma empresa especializada na detecção de infracções de direitos de autor na Internet. E a China é o país que lidera a lista dos 10 países onde a série foi mais vezes descarregada, segundo a mesma fonte.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)