O papa Francisco pediu aos bispos norte-americanos que os “crimes” de pedofilia que abalaram a igreja dos Estados Unidos da América “nunca mais se repitam”. O apelo foi feito na quarta-feira, na catedral de St. Matthew em Washington, nos Estados Unidos.

“Sei como está marcada em vocês a ferida dos últimos anos e acompanhei-vos no vosso generoso envolvimento para ajudar as vítimas (…) e contínuo trabalho para que estes crimes nunca mais se repitam”, afirmou, acrescentando estar “consciente da coragem com que [os bispos] enfrentaram os momentos obscuros durante o percurso eclesiástico sem recear a autocrítica”.

A associação SNAP, de defesa das vítimas de abusos cometidos por padres, criticou a “cobardia” dos responsáveis da Igreja católica norte-americana por terem fechado os olhos a estes crimes.

A SNAP condenou também o papa pela utilização da palavra “coragem” ao dirigir-se aos bispos. Para a associação, “quase sem exceção [os bispos] mostraram cobardia e insensibilidade, e continuam hoje a fazê-lo”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já o presidente da conferência episcopal norte-americana, Joseph Kurtz, considerou que a mensagem do papa foi no sentido de dizer “aos bispos que devem fazer desta luta uma prioridade”.

“Chamou a esta catástrofe um crime. Devemos certamente fazer mais. A cura é necessária. Ele quer também restaurar a autoridade e a confiança” na Igreja, acrescentou Kurtz.