Engenharia

A casa “low cost” que se monta em duas semanas

1.039

Uma casa "low cost" que demora, no máximo, duas semanas a montar. O projeto é português e foi apresentado esta sexta-feira pela Associação Empresarial de Cambra e Arouca.

A inauguração da primeira eco-casa, construída com o sistema "gomos", aconteceu hoje em Arouca

Captura de ecrã do Facebook - AECA

As casas low cost, que demoram um período máximo de duas semanas a montar, são um projeto da Associação Empresarial de Cambra e Arouca, que as construiu utilizando o sistema Gomos.

O projeto, segundo o Sol, foi financiado por 18 empresas dos municípios de Arouca e Cambra e apresentado esta sexta-feira. Tem um preço base de 50 mil euros mais IVA. A moradia, que demorou três meses a criar em fábricas, foi montada em apenas… três dias.

EcoCasa / Sistema GomosSessão de Inauguração da primeira unidadeInserido no programa da "Feira da Colheitas 2015"

Posted by AECA on Segunda-feira, 28 de Setembro de 2015

Este sistema de construção, como explicou em julho ao P3 o criador do projeto, Samuel Gomes, é “um sistema onde cada módulo sai da fábrica completamente pronto, incluindo todos os acabamentos interiores e exteriores”.

A casa, segundo afirmou à Agência Lusa o presidente da associação que liderou a construção, Bruno Teixeira, foi criada a partir de uma premissa: “Percebemos que estava a faltar no mercado uma casa de baixo custo que fosse fácil de transportar e que se pudesse montar rapidamente”, acrescentando ainda que o objetivo inicial era construir uma casa com “custos controlados e sem surpresas no final da obra”.

As moradias, dependendo do interesse dos futuros compradores, podem ser desde um T1 até, por exemplo, um T3 ou um T4. O preço pode variar dependendo do equipamento, que fica à escolha dos clientes, e que pode incluir “painéis solares, revestimentos, pinturas, pavimentos, caixilharias ou mobiliário fixo como o das cozinhas, que já vêm montadas”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)