Rádio Observador

Espanha

Empresários portugueses ponderam deixar a Catalunha

Os empresários portugueses ponderam mudar-se para Madrid ou para Portugal em caso de independência da Catalunha por medo de boicote em toda a Espanha de produtos vindos desta província.

A bandeira que simboliza a independência da Catalunha num comício pró-independentista

JOSEP LAGO/AFP/Getty Images

A incerteza quanto à situação política na Catalunha em caso de independência e o receio quanto aos possíveis impactos económicos levam alguns dos empresários portugueses a equacionar mudar-se para Madrid ou mesmo regressar a Portugal.

No nosso caso somos uma empresa de importação e distribuição de vinhos e produtos gourmet portugueses em Espanha, trabalhamos a nível nacional, mas temos loja própria e restaurante em Barcelona. Obviamente preocupa [um processo de independência] e estamos a fazer um plano de emergência, porque caso isso aconteça vamos ter de transferir a central de distribuição da empresa para Madrid. Isso está claríssimo”, contou à agência Lusa Ricardo Paulo, sócio proprietário da empresa O Lusitano S.L.

Ricardo Paulo mantém a esperança que o processo de independência “não vá para a frente” – por falta de maioria absoluta dos independentistas nas eleições de domingo – mas receia sobretudo, se tal acontecer, “um boicote em toda a Espanha aos produtos vindos da Catalunha”, como já aconteceu no passado.

O empresário português diz que a sua nacionalidade o “afastou de problemas com clientes de Madrid” por estar implantado na Catalunha (desde o início de 2009), mas reafirma que se houver independência na Catalunha “já tem plano B” e “não tem dúvidas de que o armazém e a central de distribuição da empresa vão passar para Madrid”.

Se estamos a falar de outro país, políticas económicas diferentes, eventualmente outra moeda, preços dos transportes diferentes, nem vamos correr esse risco. Para começar a Catalunha é a comunidade de Espanha mais cara, onde tudo é mais caro. E como somos uma empresa muito pequena, temos de dar passos bem calculados”, conclui.

Há mais tempo na Catalunha está José Rocha dos Santos. Em Espanha desde 1976 e em Barcelona desde 1981, o empresário trabalhou no setor agro-alimentar e lançou em 2002 uma empresa de construção industrial (pavimentos). Atualmente executa trabalhos como consultor.

Obviamente estou contra a independência. Posso estar aqui há muito tempo, mas não sou catalão. Como estrangeiro, ninguém se referiu ao que nos aconteceria. Qual seria a nossa posição?”, critica o empresário, que chegou a integrar o Conselho para a Internacionalização da Economia Portuguesa.

“Sim, equaciono mudar residência para Madrid ou mesmo regressar a Portugal. Esta decisão [dos catalães] afeta o ambiente de negócios e eu tenho negócios com outras zonas de Espanha”, assegura José Rocha dos Santos, admitindo que – no que toca à Catalunha – “ser português, e não espanhol, tem favorecido a relação com os locais”.

Tal como Ricardo Paulo, José Rocha dos Santos não acredita que a independência da Catalunha venha a concretizar-se. “Tudo isto tem início por razões económicas”, pelo que será nesse campo que as coisas se vão resolver, assume.

Nuno Dias é português, mas é diretor-geral da Carlos Silva S.A. em Barcelona, uma empresa espanhola que trabalha na área dos elevadores e ascensores. Nortenho e expansivo, Nuno Dias é claro quanto aos possíveis impactos: os custos de uma eventual independência da Catalunha – e eventual saída do euro e do espaço Shengen – levariam os clientes da empresa a comprar noutro lado.

Tão simples quanto isso. Nós temos aqui a fábrica, mas recebemos peças e materiais de muitos lugares de Espanha. Operar a partir da Catalunha para o resto de Espanha elevaria tanto os custos, que provavelmente muitos clientes nem sequer olhariam para nós e iam para a concorrência”, salienta à Lusa.

Por isso mesmo, sublinha, a Carlos Silva S.A também está a planear a melhor forma de “reequacionar a sua estratégia” de implantação geográfica em caso de uma independência da Catalunha.

Mas Nuno Dias tem uma explicação mais dura para este movimento dos políticos catalães: “É uma fuga em frente para ‘tapar’ os vários casos de corrupção que têm surgido associados à governação da Catalunha”.

No domingo, 5,5 milhões de catalães vão às urnas para escolher os deputados ao parlamento regional da Catalunha, que posteriormente votarão para eleger um novo presidente e governo regionais (Generalitat). No entanto, duas formações – a plataforma Junts pel Sí e a CUP – consideram que quem votar nestes dois partidos está a dizer “sim” à independência, processo que pretendem iniciar no prazo de 18 meses caso obtenham a maioria absoluta.

Os restantes partidos – Ciudadanos, Podemos (na sua versão catalã “Sí que es pot”), o PP da Catalunha, o Partido Socialista da Catalunha e a Unió Democratica de Catalunya estão contra esta via.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)