O líder comunista, Jerónimo de Sousa, em coligação com os ecologistas (CDU), acusou hoje o Governo PSD/CDS-PP de querer implementar um “sistema de saúde a duas velocidades”, conforme as posses dos cidadãos, mercantilizando este setor.

Num comício noturno em Faro – “o maior de sempre da CDU no Algarve”, segundo a própria candidatura -, Jerónimo de Sousa pediu “mais votos e mais deputados ao repleto do Teatro das Figuras, com mais de 700 pessoas, a fim de contrariar tais opções políticas, além de comparar a eventual devolução parcial da sobretaxa de IRS ao ladrão que rouba um porco e retribui com um chouriço.

O secretário-geral do PCP afirmou que o executivo de Passos Coelho e Paulo Portas deseja “transformar a saúde numa mercadoria, um negócio”, levando a cabo “uma política assassina”, culpada por “atirar para a morte antecipada milhares de portugueses”, citando dados da Associação de Médicos de Saúde Pública, segundo a qual já morreram mais 5.500 pessoas em 2015 do que em igual período de 2014.