Santarém, Portalegre, Castelo Branco e Lisboa. Madrid, Castilla-La Mancha, Castillay León e Extremadura. São estes os distritos portugueses e as comunidades autónomas espanholas onde portugueses e espanhóis vão manifestar-se este sábado à tarde pela defesa de um “rio vivo” e pelo bom estado ecológico do Tejo e seus afluentes. Ao todo, as manifestações ocorrerão em mais de 20 localidades ribeirinhas, 14 das quais em solo português.

“As populações ribeirinhas estão unidas na sua indignação pelos recorrentes casos de poluição do Tejo e dos seus afluentes, crimes que alguém pratica contra um bem comum e que é de todos. É hora de dizer basta e por isso estamos a apelar a que os cidadãos se manifestem nos cais fluviais, nas praias fluviais e nos parques ribeirinhos das suas terras”, disse à agência Lusa Paulo Constantino, porta-voz do ProTejo, movimento que coordena a iniciativa em Portugal.

São esperadas milhares de pessoas nesta concentração que terá início às 15h00 e, uma hora depois, será lido um manifesto em cada localidade em defesa do Tejo.

A iniciativa, organizada pela Rede de Cidadania por Uma Nova Cultura da Água do Tejo de Portugal e Espanha, foi planeada depois dos grupos ambientalistas que integram esta rede terem denunciado à Comissão Europeia o incumprimento da diretiva-quadro da Água e da política europeia da água nos rios, nomeadamente no transvase Tejo-Segura.

Contactada pela Lusa, fonte da Comissão Europeia disse à Lusa que as queixas relativas à gestão do rio Tejo estão a ser analisadas, mas não adiantou pormenores sobre o alegado incumprimento da diretiva.

“A Comissão tem acompanhado a questão do rio Tejo e está em contacto com as autoridades espanholas. Não podemos adiantar qualquer detalhe sobre estas comunicações, uma vez que são [feitas] no âmbito de uma questão legal”, disse à Lusa fonte do executivo comunitário.