A taxa de desemprego provisória para agosto de 2015 situa-se em 12,4%, mais 0,1 pontos percentuais do que aquela que foi apurada em julho. A taxa do mês passado também foi revista em alta, mais 0,2 pontos percentuais e fixa-se agora, definitivamente, em 12,3% (a provisória apontava para 12,1%, um mínimo desde outubro de 2010).

Os dados revelados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) estimam que a população desempregada se tenha situado em 633 mil pessoas, mais 4,8 mil do que no mês anterior. A subida de 0,8% nos desempregados refletiu o aumento de mulheres desempregadas (mais 2,2%), dos jovens desempregados (mais 2,6%) e de adultos (mais 0,4%). E interrompeu o ciclo de descidas que se iniciou em fevereiro.

INE2

Em agosto, o INE estima que a taxa de desemprego das mulheres tenha excedido a dos homens (fixando-se em 12,6%) e que a dos jovens se tenha situado em 31,8% (mais 0,6 pontos percentuais do que no mês anterior). A taxa de desemprego definitiva de julho foi revista em alta para 12,3%, mantendo-se desta forma inalterada face ao mês anterior.

Os dados apurados pelo INE são ajustados de sazonalidade. Sem este ajuste, a taxa de desemprego definitiva de julho teria-se fixado em 11,8% e a de agosto em 12,2%, menos 0,2 pontos percentuais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

População empregada mantém-se inalterada

Os dados provisórios do INE apontam para que haja menos 0,8% de pessoas empregadas, com a população empregada a fixar-se em 4,462 milhões de pessoas. O instituto explica que o decréscimo foi observado em todos os grupos analisados, ou seja, entre adultos, homens, mulheres e jovens. A taxa de emprego situou-se assim em 57%, menos 0,5 pontos percentuais do que em julho.

ine3

Quanto aos dados previstos anteriormente para julho, também foram revistos em baixa. A população empregada desceu para 4,496 milhões de pessoas, quando as estimativas apontavam para 4,524 milhões de pessoas. Com este ajuste, manteve-se praticamente inalterada face ao mês anterior, junho, que registou uma população empregada definitiva de 4,499 milhões de pessoas.