O Ministério dos Transportes ordenou a quatro grupos japoneses que utilizam essa tecnologia – Toyota, Nissan, Mazda e Mitsubishi Motors –, bem como aos fabricantes europeus envolvidos, que entreguem um relatório até sexta-feira.

“Estamos a recolher informação para compreender o que se passou. Consoante as conclusões, veremos se o nosso sistema atual de inspeções é suficiente”, explicou à agência noticiosa AFP um responsável do Ministério.

Há 11 dias, a Agência de Proteção do Meio Ambiente dos Estados Unidos acusou a Volkswagen de falsear o desempenho dos motores em termos de emissões de gases poluentes, através de um ‘software’ incorporado no veículo.

Dois dias depois, a Volkswagen reconheceu ter falseado os dados e na terça-feira passada anunciou que 11 milhões de veículos do grupo em todo o mundo têm equipamento que permite alterar o desempenho dos motores em termos de emissões para a atmosfera, um escândalo que já levou à demissão do presidente executivo do grupo, Martin Winterkorn, substituído por Matthias Mueller, que transitou da Porche.