Rádio Observador

Saúde

Piolhos: um problema cabeludo. Atenção que é a época deles

1.848

A escola já começou. Está oficialmente aberta a época em que as crianças ganham mais piolhos. Saiba os motivos e as formas de tratamento mais eficazes.

Getty Images

O ano letivo já começou e com ele voltou uma preocupação antiga dos pais de crianças mais novas. Os piolhos são um inimigo cruel e indiscreto: atacam qualquer pessoa e em qualquer época do ano. Mas nesta altura, as crianças parecem estar particularmente vulneráveis às infestações. Porquê?

O pediatra Lincoln Justo da Silva explicou ao Observador que tudo tem a ver com a proximidade. “Os piolhos transmitem-se através de contacto direto entre cabeças ou roupas contaminadas – mas nunca pela água. Quando o ano escolar começa, as crianças reúnem-se e brincam”, o que facilita a disseminação do parasita.

A culpa também é do termómetro, alerta o pediatra Mário Cordeiro. Os piolhos preferem ambientes estivais e “é natural que o tempo quente propicie melhores condições para a eclosão dos ovos“, explicou o médico ao Observador. As fêmeas do piolho colocam dezenas de ovos junto ao couro cabeludo, onde a cabeça está mais quente. Esses ovos são as lêndeas. Quando o ano letivo começa, o ambiente ainda está quente e isso facilita a eclosão dos piolhos porque os ovos sobrevivem muito mais facilmente. Mas também é preciso estar atento durante as épocas mais frias: “Nos meses frios as crianças estão mais juntas, brincam mais umas com as outras com contacto corporal”, indica Mário Cordeiro.

Ninguém pode escapar a esta ameaça, por mais cuidada que seja a higiene. “Há estudos que apontam até para que as cabeças limpas sejam mais suscetíveis ao aparecimento de piolhos. Como muitos pais continuam a pensar que ter piolhos só nas barracas, torna-se muito difícil controlar a praga, dado que nem todos fazem o tratamento”, sublinha o médico pediatra.

Mas há crianças que estão mais vulneráveis à infestação. “São aquelas que têm pele mais sensível, com problemas de eczema (inflamações na pele) ou alergias. Infelizmente, não há formas de prevenir o aparecimento de piolhos”, realça Lincoln Justo da Silva.  De acordo com um estudo coordenado pelo pediatra Mário Cordeiro e realizado com Ana Vieira, Andreia Martins, Anna Knoch, Jorge Pimenta e Sara Vilas-Bôas, as crianças entre os 3 e os 12 anos são quem mais sofre de pediculose (a doença provocada pelo piolho).

A comichão é um dos primeiros sintomas, mas há outros a que os pais têm de estar atentos. Os piolhos defecam depois de picarem o couro cabeludo e o material expelido pelos insetos entra na corrente sanguínea. Quando isso acontece, os piolhos “podem provocar uma doença responsável por febre baixa, mal-estar, cansaço e desinvestimento escolar“, alerta o pediatra Mário Cordeiro.

Há, isso sim, formas de tratamento, realça Lincoln Justo da Silva. Assim que as crianças começam a queixar-se de comichões atrás das orelhas e na nuca, o melhor é que os pais se rendam aos medicamentos – champôs e sprays – disponíveis nas farmácias para curar o problema. É que a comichão apenas começa quando os piolhos já estão a picar o couro cabeludo (é a saliva destes insetos, quando em contacto com o local da picada, que irrita a pele). Depois, devem também colocar a roupa da criança, toalhas e roupa de cama a lavar.

Mas Lincoln Justo da Silva lança ainda mais um alerta: as lêndeas são muitas vezes resistentes ao tratamento químico, por isso o problema pode prosseguir. Para as eliminar, os pais devem escovar o cabelo das crianças com um pente fino de metal. “Há também quem coloque água com vinagre no cabelo e só então passe a escova”, aconselha o pediatra.

Para Mário Cordeiro, o remédio mais eficaz é “falar-se do assunto, desdramatizar e fazer passar a mensagem de que todos têm de estar atentos e fazer os tratamento, de preferência simultaneamente”. No estudo coordenado pelo pediatra em conjunto com os alunos no mestrado integrado de Medicina na Universidade Nova, pode ler-se que “é por vergonha que muitos pais não avisam as escolas ou se recusam a aceitar a ideia de que as crianças possam estar infestadas”. A sobrepopulação e a má higiene podem, de facto, facilitar a infestação de piolhos, mas o contágio não conhece condições socioeconómicas.

Texto editado por Filomena Martins

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
1.647

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)