Legislativas 2015

Polémica com as sondagens. “Vai votar no Livre? Que partido é esse?”

719

Glória Franco, candidata do Livre/Tempo de Avançar, recebeu um telefonema da Universidade Católica para participar numa sondagem. Quando revelou que ia votar no seu partido, perguntaram-lhe: "Qual"?

"Ah, é aquele da Ana Drago, não é?", responderam-lhe do outro lado da linha

Tempo de Avançar/ Facebook

O telefone começou a tocar durante a tarde de quinta ou sexta-feira, não se recorda bem. Do outro lado da linha, uma voz feminina apresentava-se como estando a fazer uma sondagem para a RTP. Perguntou-lhe a idade e os quatro dígitos do Código Postal. A pergunta era a da praxe: “Se as eleições fossem hoje, em quem votaria”?

– “Voto no Livre/Tempo de Avançar”, respondeu prontamente Glória Franco, candidata por Évora do… Livre/Tempo de Avançar.

– “Desculpe, que partido é esse?”, perguntou surpreendida a voz do outro lado.

– “Está a entrevistar-me e não conhece os partidos que se candidatam?”

– “Ah, é aquele da Ana Drago, não é?”

– “Sim…”

– “Diga-me, por favor: há mais alguém aí em casa que queira participar na sondagem?”

– “Sim, sim. Vou chamá-la. [Não havia, mas Glória Franco queria “testar a pessoa” e disse que sim. Disfarçou a voz e continuou a conversa].

– “Boa noite”, cumprimentou Glória Franco, de voz disfarçada.

– “Boa noite. Quer participar na sondagem da Universidade Católica? (…) Se as eleições fossem hoje, em quem votaria?”

– “No Livre/Tempo de Avançar”.

– “Ah, então aí em casa todos votam no mesmo?”

– “Sim…”

– “Obrigado pela participação e boa noite.”

O relato atribuído a Glória Franco começou a circular nas redes sociais de vários apoiantes do Livre/Tempo de Avançar e tornou-se viral. Ao Observador, a candidata de Évora confirmou esta versão e admitiu que chegou a pensar que a “chamada podia não ser real” ou que teria sido “alguém a fazer-se passar por representante da Universidade Católica”.

Questionado pelo Observador, o Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica (Cesop) não deixou de “manifestar estranheza” em relação ao caso relatado por Glória Franco e garantiu que “segue os mais rigorosos procedimentos científicos e técnicos na realização de sondagens, presenciais ou telefónicas”. Mais, explicaram os responsáveis pelo centro de sondagens, todos os “inquiridos são selecionados de forma aleatória e em cada domicílio é realizado apenas um inquérito“.

O Cesop esclarece ainda que “para prevenir eventuais desvios às regras transmitidas, temos dispositivos de validação e controlo de qualidade. O acompanhamento constante do trabalho de campo permite-nos corrigir eventuais erros, por exemplo eliminando registos obtidos de forma indevida”.

Quanto ao facto de o entrevistador não saber, alegadamente, a que partido se referia Glória Franco, o Cesop fez questão de lembrar que todos os inquiridores estão na posse de um “guião de entrevista” onde constam todos os partidos a considerar”. “Porém”, lembra, “o inquiridor tem instruções específicas para não ler os nomes dos partidos e aguardar que o inquirido mencione espontaneamente a sua escolha. Apenas então deve assinalar a resposta do inquirido”.

A terminar, os responsáveis pelo Cesop defendem que a experiência de Glória Franco “contraria em absoluto as práticas do CESOP, que sempre se pautaram pelo rigor metodológico e técnico”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)