Dois dias seguidos. Vinte e quatro horas depois de divulgar o contrato que Jorge Jesus assinou com o Sporting, o site Football Leaks voltou a publicar documentos oficiais do clube de Alvalade. Desta vez o assunto é André Carrillo e a suposta proposta de renovação de contrato que os leões apresentaram ao peruano antes da partida com o Nacional da Madeira. O extremo, ao que parece, torceu o nariz e disse que não, pois não jogou. E como se sabe isto? Porque o clube, diz fonte do Sporting ouvida pelo Observador, crê ter sido alvo de um “claro ataque de pirataria informática”.

Foi essa informação que os responsáveis leoninos terão passado à Polícia Judiciária (PJ), que já está a investigar o caso — como, na quarta-feira, o Sporting anunciou, num comunicado em que não confirmou ou desmentiu a veracidade dos documentos divulgados pelo site. O clube acredita que os culpados deverão ser identificados, pois “este tipo de coisas deixam sempre rasto”. Os leões consideram esta situação “desconfortável”, embora fonte do clube tenha realçado que o Sporting nada tem a esconder.

Esta quinta-feira, na alegada proposta de renovação que os leões apresentaram a Carrillo, publicada pelo Football Leaks, o clube pretendia que o peruano concordasse com várias adendas feitas ao contrato. Uma delas previa, no caso de o jogador ir para um clube estrangeiro e, depois, se transferir para um português, um “acréscimo de preço” de 25 milhões de euros. O peruano, aliás, teria de pagar uma indemnização com o mesmo valor caso viesse a jogar por outra equipa portuguesa até 30 de junho de 2021. Neste novo contrato, porém, o Sporting comprometia-se a aceitar qualquer proposta por André Carrillo, vinda de um clube estrangeiro, a partir dos 15 milhões de euros — ou de um português que pagasse pelo menos 40 milhões.

Ora, a fonte do Sporting ouvida pelo Observador não comentou este documento relativo ao jogador peruano e seguiu na linha do que o clube tem feito nas últimas semanas — não falar sobre a situação de Carrillo. Mas resolveu explicar outras porque, lá está, diz que nada tem a esconder, “ao contrário do FC Porto, onde há coisas muito estranhas” — o Football Leaks revelou que os dragões devem 10 milhões de euros ao Marselha, devido a duas prestações já vencidas e que ainda não pagou, relativas à transferência de Imbula.

Uma das explicações tocou em Bruno Paulista, o novato brasileiro, 21 anos, que foi a contratação mais cara do Sporting esta época (3,9 milhões de euros). O site avançou que o médio está em Alvalade mas pertence ao Recreativo da Caála, clube angolano que detém os direitos económicos do jogador e o cedeu ao Sporting até junho de 2016. Fonte leonina diz que a situação de Paulista “está devidamente identificada” no Relatório e Contas da época 2014/2015. Quanto a António Mosquito, empresário que teria intermediado todo o processo, é um “empresário e é parceiro de vários clubes no que respeita à compra de jogadores através do seu clube CR Caála”.

Quanto ao argentino Cervi e à história dos 6 milhões que o Sporting deu e não chegaram para bater os 4,8 milhões que o Benfica pagou, a mesma fonte diz que o clube acha “estranho” e que defende que tudo “mereceria ser objecto de investigação por parte do Ministério Publico português e demais autoridades competentes”. O Football Leaks disse que o Sporting apresentou um acordo em que Cervi ficaria seis meses a jogar no Recreativo da Caála antes de chegar aos leões, mas o clube diz que, depois de tentar negociar o passe argentino com uma proposta conjunta com os angolanos, apresentou a tal oferta dos 6 milhões. Que o Rosario Central rejeitou.

Depois, além de dizer que o Sporting vai processar Pedro Guerra e António Simões, comentadores televisivos que diziam estar em posse de documentos oficiais do clube, a mesma fonte confirmou que Bruno de Carvalho vai, na segunda-feira, à TVI24 para explicar tudo. E mais: os leões, pelos vistos, tiveram mesmo interessados em contratar Konstantinos Mitroglou, mas o avançado grego era apenas um plano B caso a renovação de Slimani e a contratação de Teófilo Gutiérrez dessem para o torto.