Rádio Observador

Educação

Editores responsabilizam tutela por alterações frequentes a manuais escolares

Editores dizem que cumprem "rigorosa e escrupulosamente" o quadro legal que regula a edição escolar e que as alterações aos manuais escolares são responsabilidade do Ministério da Educação.

LUSA

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) defendeu em comunicado que cumpre “rigorosa e escrupulosamente” o quadro legal que regula a edição escolar e que as alterações aos manuais escolares são responsabilidade do Ministério da Educação.

O comunicado da APEL surge na sequência de uma queixa entregue ao Provedor de Justiça, em setembro, assinada por cerca de sete mil pessoas, contra o incumprimento da legislação que exige que os manuais escolares tenham a duração mínima de seis anos.

Todos os anos, milhares de famílias deparam-se com o “enorme problema do arranque do ano letivo” que os obriga a gastar centenas de euros em manuais escolares, mesmo existindo legislação que defende a reutilização dos livros e que define que se devem manter por seis anos.

Cansado dos relatos de alunos impedidos pelas escolas de usar edições antigas, o Movimento pela Reutilização dos Livros Escolares (Reutilizar.org) decidiu fazer uma queixa e lançar um abaixo-assinado a exigir o cumprimento da legislação que entregou ao Provedor da Justiça.

A APEL veio “afirmar perentoriamente que os editores cumprem rigorosa e escrupulosamente o quadro legal que regula a edição escolar, artigo por artigo, alínea por alínea”.

A APEL, que admite desconhecer com rigor a queixa apresentada, afirma, ainda assim, que as acusações feitas aos livreiros “são infundadas”, disponibilizando-se para prestar esclarecimentos em nome do setor junto do Provedor de Justiça.

A associação acusa ainda o Ministério da Educação e Ciência (MEC) de ser o responsável por alterações aos manuais dentro do período de vigência, afirmando que estas são “consequências de mudanças impostas” pela tutela.

“Ao contrário do que tem sido noticiado, nenhum manual escolar é alterado durante o respetivo período de vigência, e que é de seis anos, a não ser que o MEC decida reformular os programas curriculares — nessa situação, os editores são obrigados a adaptar os manuais escolares aos novos programas, pois só assim poderão ser adotados pelas escolas e utilizados pelos alunos”, lê-se no comunicado da APEL.

A associação dá o exemplo das metas curriculares introduzidas nos programas curriculares em vários níveis de ensino pela equipa do ministro Nuno Crato, advogando que os manuais foram alterados para “refletir as novas orientações”.

“Os editores acordaram com o MEC um calendário de introdução de metas curriculares que diminuísse ao máximo o impacto junto das famílias. E se é certo que, em alguns casos, houve a redução da vigência de manuais, outras há em que se verifica a extensão desse período, com livros a permanecerem em vigor durante 7, 8 e 9 anos”, refere a APEL.

O movimento Reutilizar.org, na origem da queixa entregue ao Provedor de Justiça, tem patrocinado a criação de bancos de manuais, espaços onde as famílias podem deixar os livros que já não precisam e que podem ser levantados gratuitamente por outras.

No entanto, não são raros os casos em que os manuais usados acabam por ser devolvidos porque as escolas não os aceitam, denunciou o porta-voz do movimento.

O movimento recebeu 248 denúncias de pais que acusam escolas, professores e diretores escolares de aceitarem apenas a última edição, quando muitas vezes as diferenças entre manuais são impercetíveis, sublinharam os manifestantes que trouxeram edições diferentes de vários manuais e demonstraram como as diferenças são quase nulas.

No entanto, mesmo sendo praticamente iguais, há escolas que não aceitam edições antigas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ministério da Educação

Um mau serviço à Educação

Carlos Fiolhais
850

Os governantes que na prática fecharam o Colégio da Imaculada Conceição, prestando um mau serviço à educação, desconhecem provavelmente os contributos dos Jesuítas para o ensino, a ciência e a cultura

Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho
174

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)