Goxto muituh de tih. Beijocax fofax. Já todos escrevemos, recebemos ou lemos mensagens com palavras bastante alteradas. Para alguns, os erros ortográficos passam ao lado. Mas para a grande maioria, um “x” ou um “h” colocados para enfeitar podem ser o suficiente para matar a chama entre um potencial casal. É esta a conclusão de dois estudos elaborados por dois sites de encontros, referidos agora pelo Wall Street Journal.

O site de encontros Match (ou Meetic) questionou mais de cinco mil pessoas solteiras nos Estados Unidos para perceber o que valorizam mais nos outros para quererem (ou não) marcar um encontro. Resultado: para 88% das mulheres e 75% dos homens, o mais importante é saber as regras da gramática, desde a ortografia ao uso das vírgulas. Só a seguir vem a confiança ou a beleza dos dentes. No caso do site eHarmony, um homem com dois erros ortográficos no site tinha 14% menos hipóteses de receber uma resposta positiva comparando com um homem com zero erros ortográficos.

Hoje a forma como escrevemos conta muito para a nossa percepção dos outros porque a comunicação escrita é, de facto, uma grande parte da nossa vida. “No email, nas mensagens escritas, nas mensagens nas redes sociais (Facebook, Instagram, Twiter)”, exemplifica Ben Zimmer, lexicógrafo ouvido pelo jornal. Uma das razões para o nosso julgamento pela gramática pode ser o facto de vermos isso como um indicador de esforço ou de desleixo, acrescenta Max Lytvyn, co-fundador da empresa Grammarly.

Parece que os erros de gramática são um dos novos problemas inadmissíveis, explica John McWhorter, um professor de linguística da Universidade de Columbia, ao WSJ. “A energia que costumava ir para as questões de classe ou para o racismo vai agora para depreciar a gramática das pessoas”, conclui.