O futuro é uma incógnita. A frase, e respetivas derivações — “a Deus pertence”, “é incerto” ou “ninguém sabe” –, é usada com frequência em vários quadrantes e por diversas figuras, de futebolistas em final de contrato a hipotéticos candidatos presidenciais. E pode ser cliché, mas o futuro é, de facto, na maior parte das vezes, uma incógnita.

Assim, pode especular-se, atirar previsões ao ar, perguntar ao Mestre Alves, mas ninguém sabe, na verdade, como será o planeta em 2045. E porquê em 2045? Porque é nesse ano que se centra a campanha criada pelo escritório de Estocolmo da agência de publicidade M&C Saatchi para a SPP, uma empresa sueca de gestão de pensões e que parte da seguinte pergunta: como quer que seja o mundo quando se reformar?

Esse mesmo mundo, em 2045, é apresentado num site interativo com uma espécie de cortina virtual que mostra duas versões do futuro: numa o ar é puro, os produtos são frescos e a energia é renovável. Na outra mal se vê o horizonte, a água sai castanha das torneiras e a televisão anuncia vagas de motins. Arrastando a imagem para a esquerda e para a direita observa-se melhor um ou outro cenário. A banda sonora não foi esquecida: trata-se de uma versão contemporânea do clássico “What a Wonderful World” de Louis Armstrong.

Embora possa parecer estranho que a campanha de publicidade de uma empresa dedicada a gerir fundos de pensões se centre neste tema, há já mais de 20 anos que a SPP se dedica aos seus próprios projetos de sustentabilidade. Para aceder ao site da campanha basta carregar na imagem abaixo, com a ressalva, porém, de que demora algum tempo a carregar e não funciona em dispositivos móveis.

Captura de ecrã 2015-10-2, às 19.58.56

Carregue na imagem para aceder ao site da campanha (DR)