Rádio Observador

Legislativas 2015

Está deprimido com o resultado das eleições? Além da política, algo vai mal na sua vida

570

Já ficou deprimido com um resultado eleitoral? Saiba que ao início a desilusão pode ser difícil de ultrapassar. Mas a vida continua — menos para alguns. Aí, "há algo de errado na vida dessa pessoa".

Dias antes das eleições presidenciais nos EUA de 2012, Henry Hamilton, de 64 anos, bem avisou: “Se o Barack Obama for reeleito, já não vou andar por cá”. O aviso foi deixado ao seu parceiro, Michael Cossy. Chegada a fatídica data de 6 de novembro desse ano, um total de 65 915 796 de norte-americanos votaram em Obama. Tanto quanto chegou para o candidato do Partido Democrata chegar aos 51,1% e, assim, ser reeleito.

Dois dias depois, a 8 de novembro, Henry Hamilton apareceu morto em casa, com duas garrafas tombadas, tal como duas caixas de medicamentos vazias. Ao lado tinha o testamento onde, entre outras coisas, escreveu: “Não me ressuscitem. Fuck Obama”.

“Tudo depende do poder de encaixe à frustração”

Lidar com um resultado eleitoral contrário à convicção e à expetativa de cada um pode não ser fácil. Mas o que dizer quando isso é levado a um extremo, como uma depressão ou, como no caso de Henry Hamilton, o suicídio?

“A maneira como as pessoas reagem a umas eleições vai depender muito do seu investimento na política. Depende de quanto é que a pessoa investiu. Isso vai levar a que o resultado seja sentido de uma forma que até pode ser traumática”, diz ao Observador a psicóloga clínica Carolina Justino. “Tudo depende do poder de encaixe da pessoa à frustração.”

É também de frustração que o psicólogo clínico Carlos Céu e Silva fala. “Existe sempre uma frustração de expetativas que não são cumpridas. Vai haver sempre desilusão, vai haver sempre frustração. A pessoa disponibiliza-se para ir votar e acredita que o seu voto vai revolucionar, que vai mudar qualquer coisa na sociedade. E isto nunca aconteceu no imediato. Temos isso espelhado em 40 anos de democracia. Depositamos esperanças em determinados partidos, somos otimistas e esperamos o melhor. Quem sabe uma maioria absoluta.

Depois, chega o choque: “Entra a realidade dos números”.

As cinco fases do luto… eleitoral

Do ponto de vista do eleitor politicamente envolvido e motivado, um resultado adverso pode, pois, ser uma experiência semelhante ao luto, exemplarmente explicado no Modelo de Kübler-Ross em cinco fases: negação, revolta, negociação, depressão, aceitação.

Uma de cada vez. Primeiro, a negação, em que a pessoa não é capaz de aceitar a realidade que à sua frente se manifesta. Depois, quando já não há passo atrás, surge a revolta com a situação. Segue-se a fase da negociação, em que, mais serena, a pessoa tenta encontrar um meio-termo entre aquilo que é a realidade e as suas expetativas. Depois, aparece a depressão, a fase de letargia e desesperança que pode ser profunda e difícil de ultrapassar. Por fim, a aceitaçãoQuando se percebe, por fim e em paz, que as coisas são como elas são.

A comparação do Modelo de Kübler-Ross com um caso de desilusão pós-eleitoral não deve ser feita a papel químico, mas ainda assim há semelhanças, indica Carlos Céu e Silva. “Eu acho que existe uma relação, pegando na questão do luto, porque há uma desilusão perante o acontecido. Porque depois não existe. Nunca existe. Entre aquilo que eu desejo e aquilo que acaba por acontecer há sempre uma distância. E para ir do desejo à realidade é preciso um esforço mental.”

Algo errado, provavelmente fora da política

O problema, indica Carolina Justino, é quando esse esforço mental fica fora das capacidades da pessoa. “É problemático quando um sentimento bloqueia a nossa vida. Quando as pessoas se agarram a causas como se elas fossem uma questão de vida ou de morte, eu pergunto o que é que vai na vida dessa pessoa para tomar uma coisa de forma tão emocional e rígída?”, pergunta.

“Imaginemos que uma pessoa votou no partido x e depois não é esse que acaba por vencer. Se a pessoa no dia seguinte não consegue ir trabalhar, se fica bloqueada com aquele sentimento de revolta… Então é porque há alguma coisa de errado na vida dessa pessoa. Essa pessoa terá de ter outros problemas, familiares ou sociais, por exemplo, e acaba por usar a política como um tubo de escape. Tem de haver ali qualquer coisa para além da política.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)