Legislativas 2015

Fez-se história. Um terço dos lugares no Parlamento vai ser ocupado por mulheres

45.218

São 76 deputadas num total de 230 lugares, o que corresponde a um terço. Em 2011 foram eleitas 62 mulheres, perto dos 25%. Fizemos as contas e a igualdade de género sai a ganhar. Confira os valores.

Catarina Martins e Mariana Mortágua, duas das deputadas que voltarão à Assembleia da República. Ao fundo está Joana Mortágua, também deputada eleita pelo Bloco de Esquerda no círculo de Setúbal.

Global Imagens

Autor
  • Catarina Marques Rodrigues

O Parlamento vai receber 76 deputadas na próxima legislatura, o que corresponde a um terço de mulheres no conjunto de deputados da Assembleia da República.

São 76 mulheres num total de 230 lugares, contando com os quatro lugares dos chamados círculos da emigração: dois lugares pelo círculo eleitoral da Europa e dois pelo círculo eleitoral fora da Europa. Estes quatro lugares são ocupados por homens.

Vamos às contas certas. Na coligação Portugal à Frente, dos 99 deputados eleitos, 33 são mulheres (33,3%). No Partido Socialista, dos 85 deputados eleitos, 27 são mulheres (31,78%). No Bloco de Esquerda, dos 19 deputados eleitos, 6 são mulheres (31,58%). No Partido Comunista Português, dos 17 deputados eleitos, 7 são mulheres (41,18%). No PPD/PSD Madeira, dos três candidatos eleitos, duas são mulheres e no PPD/PSD Açores, foi eleito um candidato e uma candidata.

O número de deputadas cresceu em relação às eleições legislativas de 2011. Dos 230 deputados eleitos, 62 eram mulheres, o que correspondeu a 26,95% da constituição do Parlamento. A anterior legislatura foi também marcada por um caso histórico — Assunção Esteves foi a primeira mulher presidente da Assembleia da República.

Recorde-se que, em 2006, foi aprovada a Lei da Paridade que estabelece que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as autarquias locais sejam compostas no mínimo por 33% de cada um dos sexos — ou seja, um terço da lista.

Eia a lista completa das deputadas:

Coligação Portugal à Frente – 99 lugares (33 mulheres)

Regina Maria Ramos Bastos
Vânia Carvalho Dias da Silva de Antas de Barros
Margarida Isabel Mano Tavares Simões Lopes
Maria de Fátima Simões Ramos do Vale Ferreira
Ângela Maria Pinheiro Branquinho Guerra
Joana Catarina Barata Reis Lopes
Maria Manuela Pereira Tender
Isaura Leonor Marques de Figueiredo Silva Pedro
Teresa de Andrade Leal Coelho
Carla Maria Gomes Barros
Odete Maria Loureiro da Silva
Sandra Cristina de Sequeiros Pereira
Paula Maria Von Hafe Teixeira da Cruz
Maria Teresa da Silva Morais
Laura Patricia de Sousa Monteiro Magalhães
Nilza Marilia Mouzinho de Sena
Susana Maria de Oliveira Lamas
Maria de Assunção Oliveira Cristas Machado da Graça
Emília de Fátima Moreira Santos
Cecilia Felgueiras de Meireles Graça
Maria das Mercês Gomes Borges da Silva Soares
Helga Alexandra Freire Correia
Maria Clara Gonçalves Marques Mendes
Teresa Margarida Figueiredo de Vasconcelos Caeiro
Ana Margarida Balseiro de Sousa Lopes
Ana Rita Barreira Duarte Bessa
Isabel Maria Mousinho de Almeida Galriça Neto
Maria Germana de Sousa Rocha
Andreia Carina Machado da Silva Neto
Patrícia Carla Bonança de Mattamouros Resende Fonseca de Oliveira
Maria Luís Casanova Morgado Dias de Albuquerque
Maria Emília Sousa Cerqueira
Inês Carmelo Rosa Calado Lopes Domingos

Partido Socialista – 85 lugares (27 mulheres)

Rosa Maria da Silva Bastos da Horta Albernaz
Sónia Ermelinda Matos da Silva Fertuzinhos
Maria Augusta de Araújo Fontes dos Santos
Maria Hortense Nunes Martins
Helena Maria de Oliveira Freitas
Elza Maria Henriques Deus Pais
Jamila Bárbara Madeira e Madeira
Maria Antônia Moreno Areias de Almeida Santos
Maria Margarida Ferreira Marques
Maria Helena do Rego Costa Salema Roseta
Maria Luz Gameiro Beja Ferreira Rosinha
Edite Fatima Santos Marreiros Estrela
Susana de Fátima Carvalho Amador
Graça Maria Fonseca Caetano Gonçalves
Isabel de Lima Mayer Alves Moreira
Maria Isabel Coelho Santos
Luísa Maria Neves Salgueiro
Ana Paula Mendes Vitorino
Maria Gabríela da Silveira Ferreira Canavilhas
Maria Isabel Solnado Porto Oneto
Idália Maria Marques Salvador Serrão
Ana Catarina Veiga dos Santos Mendonça Mendes
Eurídice Maria de Sousa Pereira
Catarina Marcelino Rosa da Silva
Inês de Saint-Maurice Esteves de Medeiros Victorino de Almeida
Maria Manuel de Lemos Leitão Marques
Lara Fernandes Martinho

Bloco de Esquerda – 19 lugares (6 mulheres)

Mariana Rodrigues Mortágua
Isabel Cristina Rua Pires
Catarina Soares Martins
Domicilia Maria Correia da Costa
Joana Rodrigues Mortágua
Sandra Mestre da Cunha

Partido Comunista Português – 17 lugares (7 mulheres)

Carla Maria da Costa e Cruz
Rita Rato Araújo Fonseca
Ana Cristina Cardoso Dias Mesquita
Diana Jorge Martins Ferreira
Ana Virgínia da Costa Pereira
Paula Alexandra Sobral Guerreiro Santos Barbosa
Heloísa Augusta Baião de Brito Apolónia

PPD/PSD Madeira – 3 lugares (2 mulheres)

Sara Martins Marques dos Santos Madruga da Costa
Rubina Everlien Berardo

PPD/PSD Açores – 2 lugares (1 mulher)

Berta Maria Correia de Almeida de Melo Cabral

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)