Outono

Seis mudanças que ocorrem no seu corpo no outono

1.134

Dorme mais horas por noite mas mesmo assim anda sempre ensonado? Culpe a nova estação. Há mudanças que ocorrem no nosso corpo no outono e algumas delas podem passar despercebidas.

Getty Images

Para uns corresponde à despedida amarga do verão, para outros é uma das estações mais bonitas do ano, não só pelas cores mas também pelo tempo que, ainda não sendo frio, não é insuportavelmente quente.

O outono é o que se chama uma meia estação, e a verdade é que, durante este período, o corpo e a mente da maioria das pessoas passam por mudanças imperceptíveis e ao mesmo tempo interessantes, que afectam o sono ou os comportamentos sociais e sexuais.

A Bustle compilou seis mudanças que ocorrem no corpo durante o outono que não incluem sentir o cheiro a castanhas assadas o dia inteiro.

1. O batimento cardíaco acelera

Quando a temperatura diminui, os vasos sanguíneos contraem-se para conservar o calor. Isto faz com que a sua pressão arterial aumente — geralmente, o aumento é mínimo, por isso não tem de se preocupar. No entanto, se sofrer de tensão alta, é melhor apostar num maior acompanhamento médico nesta altura.

2. Pode dormir mais horas por noite, mas acordar sonolento

A hipersónia, que é o contrário da insónia, é mais comum durante os meses de outono. Durante o mês de outubro, a maioria das pessoas dorme mais 2,7 horas por dia do que nos restantes meses, mas a qualidade e a profundidade do sono não serão tão altos como habitualmente, daí acabar por se sentir constantemente sonolento ao longo do dia, apesar de dormir mais. Isto deve-se ao facto de que os dias mais pequenos implicam uma menor exposição solar, e a luz solar, ao atingir as retinas, é uma parte importante para um ritmo circadiano saudável.

3. O amor anda no ar

Vários estudos já incidiram sobre os níveis hormonais dos homens e das mulheres ao longo do ano e concluíram que tanto os níveis de testosterona como de estrogénio são mais altos no outono. Não é claro que este aumento de libido se deva a rituais de acasalamentos antigos ou a fatores como a diminuição da luz. Outro fator interessante é que os meses de novembro e de dezembro são os mais férteis do ano (se quer engravidar já sabe em que altura apostar).

4. Vai querer socializar… por telefone

Quando os dias escuros e o tempo frio e chuvoso se juntam, a vontade de sair de casa e socializar em festas e em bares tende a diminuir. O que não significa, de todo, que a vontade de manter o contacto com os amigos e a família diminua. Estudos mostram que assim que as noites ficam maiores, as pessoas tendem a ficar mais tempo ao telefone com as pessoas mais próximas, como por exemplo os melhores amigos.

5. É mais provável que fique desidratado

Quando o calor é muito, ninguém se esquece de beber água até porque sente muito mais sede. Mas assim que as temperaturas baixam, a sede também diminui, por isso é que o risco de desidratação aumenta. A tendência é reduzir a ingestão de água porque o corpo não manda tantos “lembretes” de que é preciso bebê-la como quando há uma vaga de calor em agosto. Além disso, quando as temperaturas baixam, é comum começar a ingerir mais bebidas diuréticas, como o café e o chá, que só por si causam uma desidratação adicional. No outono, mesmo que não sinta sede, obrigue-se a beber água.

6. A memória melhora

Vários estudos comprovam que quando o tempo piora, a memória melhora e as pessoas conseguem lembrar-se de mais coisas do que nos dias quentes. Os dias frios e chuvosos também aumentam a concentração e a produtividade. Nem que seja porque não pode ir para a rua apanhar sol.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)