Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O lançamento do novo modelo X da Tesla aconteceu na semana passada, e confirmou algumas características que já se esperavam, como as suas portas em X (conhecidas como “Asas de falcão”) e a potência do seu arranque (que o leva dos 0 aos 100 km/hora em 3,3 segundos).

Mas uma das novidades foi a existência de uma funcionalidade chamada “Modo de Defesa face a Armas Biológicas”. Esta funcionalidade é, na prática, um botão que ativa uma filtragem de ar especial: protege os ocupantes das mais diversas ameaças biológicas: pólen, bactérias, poluição e vírus. A empresa já anunciou que este sistema é inovador no mercado automobilístico, e que o novo modelo da Tesla é o primeiro automóvel com um filtro HEPA – um filtro que utiliza uma tecnologia altamente eficiente na separação de partículas.

A dúvida parece ser agora até que ponto este sistema será capaz de deter os vírus de dimensão mais pequena, que ainda assim podem causar danos às pessoas – como os vírus da gripe e da varíola. Elon Musk, o líder da Tesla, já veio defender na sua conta pessoal do Twitter que a eficácia do sistema é total:

O Modo de Defesa de Armas Biológicas definitivamente filtra os vírus, e, já agora, também os [mais] pequenos. [O sistema] tem níveis de filtragem equivalentes aos de uma sala de operações de um hospital.

Mas porquê esta preocupação? Elon Musk explica ao Quartz: “Estamos a tentar ser líderes em cenários de defesa apocalípticos”. Em suma, esta é mais uma das especificades do modelo X: até pode chegar o fim do mundo, mas no interior do modelo X será possível respirar ar de qualidade.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR