É o elemento desestabilizador das contas. O partido Nós, Cidadãos! pode eleger, pelo menos, um deputado pelo círculo Fora da Europa, roubando um tradicional mandato ao PSD. Sem maioria no Parlamento, os sociais-democratas estão preocupados com as notícias que vão chegando dos dados da emigração e fazem contas à vida. É que a greve nos correios do Brasil, os escassos cinco envelopes que chegaram da África do Sul e o aumento exponencial do recenseamento em Macau podem pôr, pelo menos, uma cadeira que pensavam ser sua em causa. Se assim for, além do PAN, também o Nós, Cidadãos! terá um lugar na Assembleia da República, podendo estes dois deputados vir a ser estrategicamente usados pela esquerda para fazer número frente à coligação PSD/CDS.

A contagem dos votos dos residentes no estrangeiro é a última a ser feita, e é geralmente a mais demorada devido ao facto de os envelopes selados terem de ser enviados por correio para o Ministério da Administração Interna, em Lisboa. Por lei, há um desconto de dez dias desde o dia da eleição para que os votos dos quatro cantos do mundo tenham tempo de chegar a Lisboa e de ser contabilizados. Mas há sempre alguns que ficam pelo caminho.

Acontece que este ano há um partido a baralhar as contas dos sociais-democratas que, em 2011, conseguiram ficar com os dois mandatos deste círculo, elegendo José Cesário (que depois foi para o Governo, dando lugar a Maria João Ávila) e Carlos Gonçalves Páscoa: o Nós, Cidadãos!, partido de Mendo Castro Henriques, que não conseguiu eleger nenhum deputado nos círculos eleitorais do continente, Açores e Madeira, mas que está a apostar tudo nos portugueses residentes no estrangeiro. O cabeça de lista dos Cidadãos por esse círculo eleitoral é José Pereira Coutinho, presidente da Associação dos Trabalhadores da Função Pública de Macau, um candidato muito influente naquela região que, segundo apurou o Observador, mobilizou milhares de novos eleitores em dissonância com os socialistas locais.

Em 2011, inscreveram-se para votar na região da Ásia e Oceânia pouco mais de 7 mil eleitores, número que este ano subiu exponencialmente à boleia daqueles que se quiseram recensear para votar no Nós, Cidadãos!. Houve este ano mais de 15 mil novos recenseamentos só em Macau.

Tudo indicadores que fazem a coligação PSD/CDS temer perder, pelo menos, um dos mandatos. Não só pelo fenómeno recente de mobilização dos eleitores de Macau, mas também pelo facto de os votos do Brasil estarem em risco de não chegar a tempo. É que a greve dos correios durou 15 dias e, a avaliar pelos resultados eleitorais de há quatro anos, é aí que está concentrada mais de metade dos eleitores da coligação naquele círculo. Mais: até esta terça-feira só tinham chegado cinco envelopes de África do Sul, outro país fora da Europa com concentração de emigrantes.

Os dois círculos eleitorais da emigração elegem dois deputados cada. Normalmente, a Europa dá um deputado ao PSD e outro ao PS e o círculo de Fora da Europa vota maioritariamente no PSD.

As contas são fáceis de fazer: se PSD/CDS perder um mandato da emigração (mantendo um deputado na Europa e outro Fora da Europa) a coligação passa a ter no Parlamento um total de 106 deputados. E se o Nós Cidadãos conseguir eleger um deputado, então a composição do Parlamento à esquerda (sem os 17 da CDU, por exemplo) poderá passar a ser 86 (os 85 atuais do PS mais um que ganhará no círculo da Europa) mais 19 (BE) mais 1 (PAN) mais 1 (Nós, Cidadãos!), o que perfaz um total de 107 deputados, ou seja, mais um do que a direita. Isto claro, se o eventual deputado que vier a ser eleito pela ala de Pereira Coutinho dos Cidadãos não se aproximar da direita.

Em 2011, o PSD conseguiu eleger os dois deputados que estão em jogo no círculo Fora da Europa, com um total de 8.323 votos, sendo que o PS conseguiu apenas 2.714 votos no somatório de todos os emigrantes não europeus. Desses mais de 8 mil eleitores residentes no estrangeiro que votaram no PSD, mais de metade (4.369) vieram do Brasil – e é o receio de que esses votos desta vez não sejam contabilizados ou que possam não ser suficientes que está a assustar os sociais-democratas. O prazo, no entanto, termina só no dia 14 de outubro (dez dias depois da eleição).