A Amazon.com, a multinacional americana que se dedica ao comércio eletrónico, anunciou esta terça-feira um novo serviço, chamado Amazon Flex. A ideia é semelhante à da Uber: contratar cidadãos comuns para fazerem as entregas dos produtos comercializados no seu site.

O “Amazon Flex” funcionará, para já, apenas na cidade de Seattle, a sede da Amazon.com. Mas a ideia, anuncia o Amazon Flex no seu site oficial, é expandir o serviço para outras cidades norte-americanas, prevendo-se que venha a existir brevemente em Manhattan, Baltimore, Miami, Dallas, Austin, Chicago, Indianapolis, Atlanta e Portland.

A Amazon.com ofercerá aos seus transportadores um salário “entre 18 e 25 dólares por hora” – isto é, entre os 16 e os 22 euros. Os requisitos para quem quiser funcionar como transportador são ter mais de 21 anos, ter licença para guiar e ter carro próprio. Isto porque as entregas, por ora, serão feitas desta forma, embora a Amazon Flex afirme que no futuro pode vir a ser possível fazer as entregas de bicicleta e até a pé.

Para além disto, a Amazon.com exige que os transportadores possuam um smartphone, já que o sistema será parecido ao da Uber. As semelhanças encontram-se também na flexibilidade na contratação de trabalhadores, já que estes transportadores serão trabalhadores independentes, que poderão escolher o seu próprio horário de trabalho.

O objetivo da empresa é diminuir o tempo de espera dos consumidores que comprem produtos através do site Amazon.com e reduzir a dependência da empresa perante grandes empresas transportadoras como a UPS e a FedEx. Os custos da Amazon.com o transporte dos produtos têm aumentado de forma significativa, tendo crescido 31% no último ano.