É provável que já se tenha habituado à ideia feita de que 30 minutos de exercício físico por dia é o suficiente para um estilo de vida saudável e um coração mais descansado. Ups! Parece que afinal, pode não ser bem assim. Um novo estudo divulgado esta segunda-feira na publicação científica Circulation vem mostrar que esse tempo de exercício pode não chegar, escreve o Washington Post.

Os investigadores tiveram em conta 12 estudos que envolveram um total de 370,460 homens e mulheres com diferentes níveis de atividade física. O grupo foi acompanhado ao longo de 15 anos e durante esse período de tempo registaram-se 20,203 insuficiências cardíacas. E como cada um dos participantes reportou diariamente as suas atividades, os investigadores puderam calcular/estimar a quantidade de exercício em causa.

Resultados? Quem segue a linha de orientação apostada nos 30 minutos de exercício diário tem “reduções modestas” no que a insuficiências cardíacas diz respeito, por oposição a quem não faz qualquer tipo de exercício. Mas a probabilidade de vir a sofrer do coração diminui consideravelmente para quem exercita duas a quatro vezes mais (20 e 35%, respetivamente).

Concluindo, níveis mais altos de atividade física parecem estar relacionados com um menor risco de insuficiência cardíaca, uma suposição que não discrimina idade, sexo ou raça.