Rádio Observador

Síria

Mísseis russos caíram no Irão? Rússia desmente.

A Rússia bombardeou esta quarta-feira a Síria com 26 mísseis, lançados a longa distância. Mas, segundo fontes americanas, pelo menos quatro caíram no Irão. A Rússia nega a acusação.

Os ataques russos na Síria começaram a 30 de Setembro

Gokhan Sahin/Getty Images

A Rússia bombardeou esta quarta-feira a Síria com 26 mísseis. Já se sabia que os mísseis tinham sido lançados a quase 1500 quilómetros da Síria, tendo passado, no caminho, pelo Irão e pelo Iraque. Mas, segundo dois oficiais norte-americanos não identificados, alguns terão ficado pelo caminho e aterrado no Irão.

A informação foi dada à CNN pelos responsáveis, que preferiram permanecer anónimos. Um dos responsáveis sugeriu à estação que os mísseis podem ter causado danos na região, mas a outra fonte referiu que esses dados não são ainda conhecidos.

Entretanto, o exército russo desmentiu as alegações, através do porta-voz do Ministério da Defesa russo, o general Igor Konachenkov, reiterando que “todos os mísseis disparados dos nossos navios cruzadores atingiram os seus alvos”.

O porta-voz russo acrescentou ainda que “ao contrário da CNN, nós não fazemos referência a fontes anónimas mas mostramos as trajetórias dos nossos mísseis e os seus alvos praticamente em tempo real”.

O secretário da defesa norte-americano, Ashton Carter, reagiu também esta quinta-feira às recentes ações da Rússia em solo sírio. Em declarações citadas pelo Guardian, prestadas à margem de um encontro entre ministros da defesa dos países membros da NATO, que decorreu em Bruxelas, Ashton Carter afirmou:

Eles [os russos] iniciaram uma ofensiva terrestre armada, em parceria com o regime sírio, destruindo a fachada de que estão lá [na Síria] para combater o ISIS [Estado Islâmico]. Isto terá consequências para a própria Rússia, que teme ataques, e que tem razões para isso. Nos próximos dias, os russos começarão a sofrer baixas.

O secretário da defesa norte-americano acrescentou ainda que os mísseis estiveram muito perto de atingir um drone norte-americano, que se encontra no espaço aéreo sírio. Ashton Carter voltou também a manifestar a recusa dos Estados Unidos em colaborar com a Rússia no combate ao Estado Islâmico, devido ao apoio convicto dado pelo governo russo ao presidente sírio, Bashar al-Assad.

Já a ministra da defesa alemã, Ursula von der Leyen, afirmou que se o ataque russo atingiu grupos de oposição na Síria, que combatem o Estado Islâmico, isso “fortalecerá o ISIS”, o que não pode ser do interesse de ninguém.

Esta quarta-feira, após o ataque naval feito pela Rússia, Vladimir Putin afirmou perante o seu ministro da defesa, Sergei Shoigu, que, apesar de ser cedo para tirar conclusões, o que tem sido feito pelo exército russo “merece uma avaliação altamente positiva”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)