Síria

Mísseis russos caíram no Irão? Rússia desmente.

A Rússia bombardeou esta quarta-feira a Síria com 26 mísseis, lançados a longa distância. Mas, segundo fontes americanas, pelo menos quatro caíram no Irão. A Rússia nega a acusação.

Os ataques russos na Síria começaram a 30 de Setembro

Gokhan Sahin/Getty Images

A Rússia bombardeou esta quarta-feira a Síria com 26 mísseis. Já se sabia que os mísseis tinham sido lançados a quase 1500 quilómetros da Síria, tendo passado, no caminho, pelo Irão e pelo Iraque. Mas, segundo dois oficiais norte-americanos não identificados, alguns terão ficado pelo caminho e aterrado no Irão.

A informação foi dada à CNN pelos responsáveis, que preferiram permanecer anónimos. Um dos responsáveis sugeriu à estação que os mísseis podem ter causado danos na região, mas a outra fonte referiu que esses dados não são ainda conhecidos.

Entretanto, o exército russo desmentiu as alegações, através do porta-voz do Ministério da Defesa russo, o general Igor Konachenkov, reiterando que “todos os mísseis disparados dos nossos navios cruzadores atingiram os seus alvos”.

O porta-voz russo acrescentou ainda que “ao contrário da CNN, nós não fazemos referência a fontes anónimas mas mostramos as trajetórias dos nossos mísseis e os seus alvos praticamente em tempo real”.

O secretário da defesa norte-americano, Ashton Carter, reagiu também esta quinta-feira às recentes ações da Rússia em solo sírio. Em declarações citadas pelo Guardian, prestadas à margem de um encontro entre ministros da defesa dos países membros da NATO, que decorreu em Bruxelas, Ashton Carter afirmou:

Eles [os russos] iniciaram uma ofensiva terrestre armada, em parceria com o regime sírio, destruindo a fachada de que estão lá [na Síria] para combater o ISIS [Estado Islâmico]. Isto terá consequências para a própria Rússia, que teme ataques, e que tem razões para isso. Nos próximos dias, os russos começarão a sofrer baixas.

O secretário da defesa norte-americano acrescentou ainda que os mísseis estiveram muito perto de atingir um drone norte-americano, que se encontra no espaço aéreo sírio. Ashton Carter voltou também a manifestar a recusa dos Estados Unidos em colaborar com a Rússia no combate ao Estado Islâmico, devido ao apoio convicto dado pelo governo russo ao presidente sírio, Bashar al-Assad.

Já a ministra da defesa alemã, Ursula von der Leyen, afirmou que se o ataque russo atingiu grupos de oposição na Síria, que combatem o Estado Islâmico, isso “fortalecerá o ISIS”, o que não pode ser do interesse de ninguém.

Esta quarta-feira, após o ataque naval feito pela Rússia, Vladimir Putin afirmou perante o seu ministro da defesa, Sergei Shoigu, que, apesar de ser cedo para tirar conclusões, o que tem sido feito pelo exército russo “merece uma avaliação altamente positiva”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)