288kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Vigília em Luanda pela libertação de ativistas

Este artigo tem mais de 5 anos

Foi organizada uma vigília esta quinta-feira em Luanda pela libertação dos 15 jovens detidos em junho, acusados de tentativa de golpe de Estado. Um dos detidos está em greve de fome há 18 dias.

i

ESTELLE MAUSSION/AFP/Getty Images

ESTELLE MAUSSION/AFP/Getty Images

Dezenas de pessoas concentraram-se em Luanda para pedir a libertação dos 15 jovens ativistas angolanos detidos desde junho e alertando para o estado de saúde de um dos reclusos, em greve de fome há 18 dias.

Em causa está a situação de um grupo de 17 jovens – dois em liberdade provisória – acusados formalmente desde 16 de setembro passado de prepararem uma rebelião e um atentado contra o Presidente angolano, mas sem que haja uma decisão do tribunal de Luanda sobre o prorrogação do prisão preventiva.

“O meu marido está em greve de fome há 18 dias porque está detido ilegalmente, porque as autoridades não fazem o seu trabalho. Já se esgotaram os 90 dias [primeiro prazo máximo de prisão preventiva] e não há uma decisão das autoridades dizendo se mantêm a prisão preventiva por mais 90 dias ou se os libertam com Termo de Identidade e Residência ou com caução, já que a lei assim o permite. Estão constantemente a incorrer em ilegalidades”, disse à Lusa, Mónica Almeida, esposa do músico e engenheiro Luaty Beirão, um dos 15 detidos.

Amigos e familiares dos ativistas juntaram-se hoje nas escadarias da igreja da Sagrada Família, em Luanda, numa vigília com velas e cartazes apelando à libertação imediata dos jovens, com a situação de Luaty Beirão, de 33 anos, a motivar a maior preocupação.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Estamos a fazer pressão para que apressem a decisão, seja ela qual for. Isso vai decidir se o Luaty fica vivo ou não. Não podem ficar mudos. O Luaty pode morrer a qualquer momento, está há 18 dias sem comer. Numa greve de fome devia ingerir três litros de água, quando nem meio litro consegue. Os órgãos já começam a deixar de funcionar e todos os dias apresenta um quadro diferente”, disse ainda a esposa, durante a ação de hoje.

A vigília estava prevista para as 18:00 (mesma hora de Lisboa), no largo 1.º de Maio, também em Luanda, mas o local, conforme a Lusa constatou, apresentava hoje um forte aparato policial.

“Não aconteceu nada porque decidimos vir para aqui, sabemos como a polícia é. Viemos para a igreja porque aqui não nos vão tocar”, apontou Mónica Almeida.

De Angola chegam relatos que #Luaty Beirão, detido desde junho, se encontra em estado crítico. O artista conhecido como...

Posted by Amnistia Internacional Portugal on Thursday, October 8, 2015

Além da  vigília, a situação de Luaty Beirão levou a Amnistia Internacional a lançar também uma petição online a favor da  libertação do artista.

A Lusa noticiou, na segunda-feira, o conteúdo do despacho de acusação proferido pelo Ministério Público angolano contra os 17 jovens, alegando que preparavam uma rebelião e um atentado contra o Presidente da República, prevendo barricadas nas ruas e desobediência civil que estes aprendiam num curso de formação.

“Os arguidos planeavam, após a destituição dos órgãos de soberania legitimamente instituídos, formar o que denominaram Governo de Salvação Nacional e elaborar uma nova Constituição'”, lê-se na acusação.

Os jovens negam a gravidade destas acusações, afirmando que se reuniam para discutir política.

“Se o Luaty tiver de permanecer preso mais 10 anos que o digam, não é ficarem mudos. É por isso que ele está em greve de fome, ele tem consciência que pode ficar preso 10, 20 anos, porque sabe que a nossa Justiça não é justa. Mas que o julguem, porque eles não foram condenados”, concluiu Mónia Almeida.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.