A vogal da administração da RTP, Cristina Vaz Tomé adiantou que o novo modelo para o Centro Regional dos Açores terá um investimento de cerca “de um terço daquilo que é o orçamento do centro” para mudança de instalações e equipamentos.

“Vai ser um investimento bastante significativo, cerca de um terço daquilo que é o orçamento do Centro Regional dos Açores”, adiantou a administradora à margem da conferência comemorativa dos 40 anos da RTP Açores que decorreu hoje em Ponta Delgada.

Cristina Vaz Tomé não concretizou números mas ao que tudo indica o investimento feito no Centro Regional da rádio e televisão pública dos Açores será acima dos 2 milhões de euros para mudança de instalações e apetrechamento de equipamentos, sendo que o orçamento do Centro andará à volta dos 7 milhões de euros.

“Em Ponta Delgada vamos concentrar a atividade da rádio e da televisão no atual edifício da rádio e vamos lançar muito em breve um concurso para fazermos as obras no edifício. Estimamos no final de 2016 estarmos em condições de fazer a mudança”, disse.

Segundo a administradora, “a grande diferença está na mudança de instalações” já com a assinatura, ontem de um protocolo para a mudança de instalações da delegação da RTP na ilha Terceira, de Angra do Heroísmo para a Praia da Vitória, a ser concretizada até ao final do primeiro semestre de 2016 e com a procura também de um novo espaço para a ilha do Faial.

O novo modelo para o centro regional dos Açores será conhecido em breve sendo que hoje foi apresentado no plano interno e será posteriormente “apresentado com mais detalhe às entidades governamentais”.

“Vai ser uma RTP com melhores condições trabalho, do ponto de vista tecnológico mais bem apetrechada, mais adequada àquilo que são os desafios do século XXI para uma rádio e televisão. Relativamente aos conteúdos há uma nova direção que tem uma estratégia em termos editoriais e que tem a competência para definir aquilo que vai ser em termos de conteúdos o futuro da rádio e televisão dos Açores”, sublinhou adiantando que “não está previsto para já” uma redução dos quadros da empresa nos Açores.

A secretária regional adjunta da presidência para os assuntos parlamentares, Isabel Rodrigues disse aos jornalistas que à RTP Açores “falta que as decisões sejam tomadas e os processos desencadeados”.

“Como sabem, o Governo da República chamou a si a prestação do serviço público de rádio e televisão, da parte do Governo dos Açores temo-nos disponibilizado a colaborar na construção de uma solução, continuamos disponíveis entendendo no entanto que há um conjunto de condições que devem ser garantidas”, sublinhou.

Isabel Rodrigues espera que “os desafios que o Centro Regional enfrenta neste momento possam ser finalmente ultrapassados e que seja dotado de todas as condições que carece no plano de instalações técnicas e de trabalhadores para que possa desempenhar esta missão que é essencial à autonomia e ao futuro dos Açores”.