534kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Presidente da câmara de Roma demite-se

Este artigo tem mais de 5 anos

Ignazio Marino, presidente da câmara de Roma, demitiu-se esta quinta-feira na sequência do escândalo relacionado com o alegado uso do cartão de crédito da autarquia para pagar despesas pessoais.

Ignazio Marino era presidente da câmara de Roma desde 2013
i

Ignazio Marino era presidente da câmara de Roma desde 2013

GABRIEL BOUYS/AFP/Getty Images

Ignazio Marino era presidente da câmara de Roma desde 2013

GABRIEL BOUYS/AFP/Getty Images

Ignazio Marino, presidente da câmara de Roma, demitiu-se esta quinta-feira. Marino foi pressionado pelos conselheiros com base nos relatórios que publicou online, onde apresentou elevadas contas de restaurante que afirmou deverem-se a despesas oficiais, refere o POLITICO.

O ex-autarca recebeu um ultimato dos conselheiros da cidade para resignar ao mandato. A polémica estendeu-se à rede social Twitter onde foi criada a hashtag #MarinoDimettiti. Ignazio Marino também recorreu também às redes sociais Twitter e Facebook para partilhar o anúncio da sua demissão.

Demito-me. O trabalho que fiz nos últimos anos fica para o futuro de Roma. Uma cidade que libertámos da corrupção,” pode ler-se no seu tweet.

Já na sua página do Facebook, Ignazio Marino publicou um vídeo onde justifica os porquês da sua demissão, mas deixou, no entanto, a dúvida sobre a efetivação da sua decisão porque, nos termos da lei, tem 20 dias para a  revogar. Marino explicou que durante esse tempo vai tentar “reconstruir as condições políticas” para poder permanecer no cargo.

Mi dimetto. Dal lavoro fatto in questi anni passa il futuro di Roma. Una città che abbiamo liberato dal malaffare e dalla corruzione.

Posted by Ignazio Marino on Thursday, October 8, 2015

Ignazio Marino, médico cirurgião de 60 anos, dirige a cidade deste 2013, quando foi eleito como independente com o apoio do Partito Democratico (PD). Uma das razões evocadas para ter optado pela resignação foi a perda de apoio do partido.

Na quinta-feira, centenas de pessoas manifestaram-se com cartazes  em frente ao Campidoglio (na sede da câmara municipal)  exigindo a sua demissão –  num deles lia-se  “Marino pagate er vino” (“Marino paga o teu vinho) -, escreve o POLITICO.

Antes do mais recente escândalo, alegadamente envolvendo despesas pessoais realizadas com o cartão de crédito da autarquia, a sua administração já estava a ser investigada por alegada corrupção. As suspeitas envolvem relações com o crime organizado e contratos públicos para centros de refugiados e saneamento, um caso que tem sido chamado “Mafia Capitale”.

A presidente da câmara municipal de Paris, Anne Hidalgo, já manifestou o seu apoio a Ignazio Marino através  da sua conta do Twitter. “Para mim, ele permanece como o presidente da câmara que ousou enfrentar mafia,” escreveu.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.