Cinema

Estreia mundial de novo filme de João Nicolau na Mostra de Cinema de S. Paulo

A segunda longa-metragem de João Nicolau, "John From", vai ser estreada na Mostra Internacional de Cinema de S. Paulo, que decorrerá de 22 de outubro a 4 de novembro.

JOSE COELHO/LUSA

A segunda longa-metragem de João Nicolau, “John From”, vai ser estreada na Mostra Internacional de Cinema de S. Paulo, que decorrerá de 22 de outubro a 04 de novembro, foi neste sábado anunciado pela produtora do cineasta. O filme irá ser apresentado na secção Competição Novos Diretores, tendo, depois, exibições confirmadas no Cinemed, Festival Internacional de Cinema de Montpellier, em França, a realizar de 24 a 31 de outubro, e no Festival de Cinema de Sevilha, a decorrer de 06 a 14 de novembro, segundo o comunicado da produtora O Som e a Fúria hoje divulgado.

Em Portugal, “John From” será apresentado, em antestreia, a 04 de dezembro, às 21:30, na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, estando a estreia comercial prevista para 03 de março de 2016, data em que a longa-metragem também deverá estrear-se no Brasil. “John From” é coproduzido pela portuguesa O Som e a Fúria e pela Shellac Sud, de França, onde o filme chegará ao circuito comercial em abril de 2016.

O filme surge sucede à curta-metragem “Gambozinos”, que venceu o prémio de melhor curta-metragem, na Quinzena dos Realizadores, uma das iniciativas paralelas do festival de Cannes, em 2013. A nova longa-metragem de João Nicolau é protagonizada pelas jovens atrizes Júlia Palha e Clara Riedenstein, e conta também, no elenco, com os atores Filipe Vargas, Leonor Silveira e Adriano Luz.

Nas palavras do realizador, “John From” é um filme que “procura auscultar a lógica e as metamorfoses da paixão juvenil”, sendo “assumidamente pudico e lúdico”. A longa-metragem gira em torno de Rita, uma jovem de 15 anos que tem o verão à sua frente e um ‘ex-futuro’ namorado, que faz tranças e tem festas onde as mostrar.

“Muito naturalmente, de Portugal ao Pacífico Sul, esta fortaleza desaba com doçura quando a adolescente vê a exposição que um novo vizinho apresenta no centro comunitário do bairro”, acrescenta uma nota da produtora, sobre este trabalho de João Nicolau.

“Gambozinos” (2013), “O dom das lágrimas” (2012), “A espada e a rosa”, longa-metragem de ficção (2010), “Canção de amor e saúde” (2009) e “Rapace”, curta-metragem de 2006, são outros trabalhos de João Nicolau, que abordar regularmente os universos da infância e da adolescência.

“Rapace” foi o primeiro trabalho do realizador nascido em Lisboa, em 1975, que trabalhou com realizadores como João César Monteiro, Margarida Gil e Miguel Gomes.

Estreada no Festival de Cannes, em maio de 2006, a “curta” “Rapace” foi galardoada com o prémio de Melhor Filme, no Festival Internacional de Curtas-Metragens de Vila do Conde. “A Espada e a rosa” é a primeira longa-metragem de João Nicolau e foi exibida no Festival de Veneza de 2010.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)