Carlos Silva, líder da UGT, afirma que a central sindical ficaria mais tranquila caso o PS encontrasse um entendimento com a coligação PSD-CDS/PP. Um entendimento à esquerda entre os socialistas, o Bloco de Esquerda e o PCP seria “uma coligação instável” e que não dá “garantia” de futuro. A UGT pretende continuar a negociar o salário mínimo e pede abertura aos patrões.

Em entrevista à Antena 1 e ao Diário Económico, o sindicalista considerou que um Governo à esquerda não será estável e que “não dá garantias de que a governabilidade seja assegurada por quatro anos”, preferindo um entendimento entre PS, PSD e CDS-PP.

“Não me parece que efetivamente as forças à esquerda do Partido Socialista, deem, na minha opinião, a garantia de estabilidade em relação ao futuro”, disse o secretário-geral da UGT.

Carlos Silva assegura ainda que a subida do salário mínimo para 600 euros pode acontecer até 2018, mas tem de haver abertura por parte dos patrões para negociar.