Quase toda a gente tem uma ideia do Texas a partir dos westerns e dos filmes de cowboys, onde por vezes se vêem extensas herdades percorridas a cavalo por rancheiros, com as suas centenas de animais de criação. Pois um dos “ranchos” mais conhecidos da região – o Waggoner Ranch, localizado a sul de Vernon, na região noroeste do estado do Texas – vai agora ser vendido. O “rancho” tem 165 anos e esteve sempre na mesma família, desde que Daniel Waggoner o estabeleceu em 1849. O preço já foi definido pelos seus sucessores: 637 milhões de euros, mais coisa menos coisa.

https://twitter.com/trishmahon/status/653590552017932288/photo/1

O preço é exorbitante, dirão alguns; mas justo, dirão outros. Basta ver que, segundo a CNN, foram feitas 600 sondagens pela propriedade nos últimos dois anos. É que o Waggoner Ranch, com os seus mais de 200 mil hectares, os seus seis condados e as suas mais de 100 propriedades, é maior que as cidades de Nova Iorque e Los Angeles. Juntas.

A dimensão é tão grande que, segundo conta Bernard Uechtritz (o australiano incumbido da venda da propriedade), para levar os possíveis compradores a conhecer a propriedade os leva numa viagem de helicóptero, que dura uma hora e quarenta e cinco minutos. E só para começar: “Posso então mostrar-lhes os pontos-chave do rancho em um dia ou dois, mas uma visita mais intensiva leva três ou quatro dias”, acrescenta.

Entre estes pontos contam-se seguramente alguns dos aspetos mais vantajosos do “rancho”, que os compradores poderão rentabilizar: a criação de animais na propriedade – que, segundo a CNN, conta com perto de 500 cavalos e 14 mil vacas -, os quase 65 mil hectares destinados à exploração petrolífera, os 10 mil hectares destinados ao cultivo de trigo, aveia e feno e a quantidade de água que corre num dos rios do “rancho”, capaz de abastecer os 105 mil habitantes de Wichita Falls, uma das cidades mais próximas.

O Waggoner Ranch, que se diz ter sido o “rancho” favorito do ex-presidente dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt, será vendido brevemente, e já há um prazo para os possíveis compradores apresentarem a sua proposta: 20 de Outubro. Com uma exigência dos atuais donos, porém: a família Waggoner não quer abdicar de 25% dos direitos minerais (leia-se petróleo) da propriedade, mesmo vendendo-a.

Outra das preocupações de Bernard Uechtritz, o responsável pela venda do “rancho”, é a continuação do legado da família Waggoner. Isto é, um dos objetivos de Bernard Uechtritz é encontrar compradores que mantenham o espírito do “rancho” intacto, segundo explica à CNN. “É uma tremenda responsabilidade para as 120 famílias e cowboys que são o coração desta fantástica terra. Eles estão a confiar em mim para pôr isto [a propriedade] nas mãos certas”, acrescenta.