De acordo com um estudo realizado pela organização Ban the Bottle, apenas 23% das garrafas plásticas de água são recicladas nos Estados Unidos de um total de 50 mil milhões usadas a cada ano. E o que fazer com as garrafas que sobram?

Os estudantes de design Rodrigo Garcia Gonzalez, Pierre Paslier e Guillaume Couche decidiram responder a esta pergunta a partir de uma outra perspectiva ao propor a diminuição da produção de garrafas de plástico através de uma tecnologia biodegradável e comestível. O resultado atende pelo nome de “Ooho!” e consiste numa espécie de depósito gelatinoso sem consistência com um formato oval, feita de uma membrana à base de cloreto de cálcio, inspirada em gemas de ovo.

A membrana foi desenhada usando uma técnica chamada “esferificação”, utilizada na culinária para dar forma de esfera a líquidos, como o caviar, reforçada por uma segunda membrana que impede a água de escorrer.

“A inspiração mais clara é a maneira que a natureza encapsula líquidos usando membranas. Feita de lipídios e proteínas, a membrana prende a água, limita e dá forma, mantendo o equilíbrio entre o interior e o exterior”, explicou a equipa de criação ao Discovery,. Os criadores garantam que o invento é insípido.

Apesar de não ter a forma de uma garrafa de plástico de água, os designers esperam reproduzir a “Ooho!” em diferentes formas e tamanhos para a sua distribuição comercial. O produto faz parte do laboratório Skipping Rocks Lab, com sede em Londres, e recebeu uma subvenção da União Europeia para o investimento inicial. O seu lançamento oficial aconteceu em setembro deste ano em Berlim, durante um evento da associação científica Solve for X.

De momento, ainda não há data para a comercialização do produto. No entanto, já circulam nas redes sociais diversos vídeos a tentar reproduzir o invento.