É a imagem de uma raposa vermelha que segura nos dentes, presa pelo pescoço, uma raposa do Ártico que matou e da qual se vai alimentar. A fotografia captada pelo médico canadiano Don Gutoski foi a vencedora do concurso Fotógrafo de Vida Selvagem de 2015, a 51ª edição do evento.

fox

Créditos: Don Gutoski/ Wildlife Photographer of the Year

O vencedor do concurso foi anunciado esta quarta-feira no Museu da História Natural em Londres, no Reino Unido. Intitulada de Tale of Two Foxes – “Conto de Duas Raposas” -, a imagem foi captada em Cabo Churchill, uma região do sub-Ártico no Canadá. Este é o habitat que raposas vermelhas e as do Ártico partilham: “Os guias do Churchill já tinham ouvido que as duas espécies lutavam por vezes, mas não conhecemos ninguém que já tivesse observado esse comportamento”, explica Don Gutoski, num comunicado de imprensa.

À BBC, o médico canadiano admitiu que esta é a melhor imagem da sua vida e destaca “a simetria das cabeças, dos corpos e das caudas, até à expresão nos focinhos”.

Tale of Two Foxes foi a preferida de entre 42 mil fotos candidatas vindas de 96 países e vai estar em destaque na exibição destas fotografias no Museu da História Natural de Londres de 16 de outubro até 10 de abril. Nesta exposição, pretende-se demonstrar “a rica variedade da vida selvagem no nosso planeta, refletindo sobre a sua beleza e sublinhando a sua fragilidade”. A exposição vai, depois, correr o Reino Unido e partir para museus internacionais, sem confirmação de passagem por Portugal.

Mas houve mais uma imagem a conquistar a atenção do júri. Trata-se de Fighting Ruffs – “Combatentes em Luta” -, foto de um jovem checo de 14 anos, Andrej Pelánek, que mostra os rituais de acasalamento de pássaros na tundra de Varanger, na Noruega. A imagem valeu a Ondrej o melhor prémio na categoria Juventude.

ruffs

Créditos: Ondrej Pelánek/ Wildlife Photographer of the Year

Entretanto, as inscrições para a edição do Fotógrafo de Vida Selvagem de 2016 estão prestes a abrir: pode enviar as suas fotografias a partir de dezembro até fevereiro do próximo do ano, através do site do Museu de História Natural.