Rádio Observador

Legislativas 2015

Costa confia na nomeação de Cavaco. E vê trunfo no calendário

291

António Costa mostrou-se confiante de que Cavaco o nomeará, numa conversa com eurodeputados. Negociação com o BE já vai na distribuição de medidas pela legislatura. PCP quer desfazer medidas laborais.

Francisco Leong/AFP/Getty Images

No dia em que Cavaco Silva veio a terreno dizer que é ele quem decide quem vai nomear – e não os jornais -, António Costa aproveitou a visita a Bruxelas para uma conversa com os eurodeputados do PS, onde mostrou confiança que o Presidente o vai mesmo indigitar como primeiro-ministro, se lhe levar um governo com maioria de esquerda. Os dados que António Costa terá usado na reunião levaram um dos presentes a acreditar que o líder do PS tem um argumento novo para convencer Cavaco – e convencê-lo rapidamente: tendo o PS a única solução maioritária na Assembleia, só ele pode garantir que tem um Orçamento em vigor logo no início de 2016 que cumpra as metas do défice acordadas com a Comissão Europeia.

Na discreta conversa em Bruxelas, o secretário-geral do PS insistiu por mais do que uma vez que PCP e Bloco não vão colocar em causa os compromissos europeus. E apontou um risco para o país, que virá se Cavaco quiser dar posse ao Governo PSD/CDS, mesmo havendo um acordo maioritário à esquerda. Eis, portanto, o trunfo:  medidas extraordinárias em vigor que vão cair, a 31 de dezembro, se não for aprovado rapidamente um orçamento para 2016. E só a esquerda, dirá Costa, estará em condições de aprovar rapidamente esse orçamento – garantindo o cumprimento das metas orçamentais.

Dito de outra forma: o PS deitará sempre abaixo o governo de direita (se tiver maioria à esquerda), ficando o Governo de Passos em gestão e sem poder para aprovar leis. Se o Presidente não desse posse ao PS, o país iria viver em duodécimos até haver novo Governo e novo orçamento. Situação que, com a queda das medidas extra, deixaria logo em risco o défice do próximo ano.

A chave na mão do Presidente

A preocupação de alguns eurodeputados, ao que apurou o Observador, é a mesma que outros dirigentes nacionais do PS já manifestaram no Largo do Rato. É que para o argumento valer, Costa tem que garantir desde já que PCP e BE aprovam o 1º orçamento da legislatura. E que aprovam, com ele, a permanência de parte dessas medidas extraordinárias. A missão não parece fácil: entre elas está a sobretaxa de IRS e o corte de salários da função pública – que a esquerda propunha devolver na íntegra no primeiro momento. Aceitarão?

Em Bruxelas, António Costa mostrou também confiança nisso – até confiança num acordo mais global. Mas é aqui, sobretudo no plano político, que o PS entra em território ainda incógnito face ao papel que o Presidente da República ainda terá no processo. Na reunião, Costa admitiu que não vai ser fácil fechar a negociação. E, nos bastidores, há socialistas que admitem ter dúvidas que podem fugir ao controlo do partido. “O Presidente tem a chave na mão”, admite fonte do secretariado nacional, contactada pelo Observador. “Pode exigir, por exemplo, que PCP e BE integrem o Governo”. E esse é um ponto onde as negociações ainda não chegaram – e é um passo que ninguém sabe se os dois partidos estão dispostos a dar.

PS admite deixar cair mais uma medida, para dar espaço ao BE

Para já, é nas contas que as reuniões técnicas à esquerda se têm desenrolado. Mário Centeno, o homem que fez o cenário macroeconómico do PS, anda à volta dos números para acomodar exigências de ambos os partidos. Segundo fontes contactadas pelo Observador, o encontro de terça-feira com os bloquistas foi visto como “animador” para os lados do Rato. Fala-se já de um trabalho de distribuição das propostas do BE pelos primeiros três anos da legislatura (nomeadamente o descongelamento das pensões), com uma folga extra que virá de uma medida que o PS deixou cair: o crédito fiscal aos mais pobres, bastante criticado por Catarina Martins durante a campanha – e que implicaria forte despesa pública a partir de 2017.

Antes, no início do processo, os socialistas já tinham deixado cair mais duas propostas do seu programa – que lhe eram, aliás, centrais: a redução da TSU e o novo mecanismo para negociar despedimentos nas empresas.

A próxima reunião com os bloquistas, onde o PS dirá o que cabe ou não no seu cenário macroeconómico, ficou entretanto adiada para esta sexta-feira, já depois do PS fazer as suas próprias contas – e de Costa dar o aval sobre os limites em que o partido admite ceder.

PCP concentra-se em desbloquear contratos coletivos

Do lado do PCP, as informações mais fiáveis vêm ainda da primeira reunião, onde os socialistas assumem ter ficado “de boca aberta” com a abertura dos comunistas. “As exigências do PCP foram mais centradas em matéria laboral do que em questões orçamentais”, diz a mesma fonte da direção do PS. Sobretudo na revogação de boa parte das medidas aprovadas pela direita (com a troika), para desbloquear os contratos coletivos – dando uma ajuda importante à CGTP, que viu o número de trabalhadores abrangidos por contratos coletivos descer de cerca de 2 milhões para pouco mais de 200 mil, em apenas quatro anos”. A juntar a isto, Jerónimo de Sousa quis também a anulação dos contratos de concessão da Metro de Lisboa e do Porto, da Carris e STCP – empresas públicas onde o partido comunista tem forte representação laboral.

Mesmo assim, há alguns sinais de que nem tudo são rosas, neste processo de diálogo à esquerda. As declarações de Jorge Cordeiro e de Ilda Figueiredo, dizendo que o PCP aprovará o Governo PS, negociando depois as medidas uma a uma, na AR, deixaram apreensivos alguns socialistas. “Chegar a um acordo com os dois já é difícil, juntar-lhe a exigência de cumprir o Tratado Orçamental… vai ser preciso muito jeito. Isto é tudo muito bonito, mas… só acredito quando chegar ao fim”, explica um dirigente do PS.

Esta sexta-feira, António Costa estará de volta a Lisboa. E o processo negocial dos socialistas com a esquerda devem entrar em fase final: Costa e Centeno têm reunião marcada, para definir até onde admitem ir, nomeadamente na troca de medidas do programa socialista com as do BE e com outras do PCP. A direita está, até lá, em stand-by: Costa quer assegurar que tem hipóteses de chegar a uma maioria antes de dizer um não definitivo a Passos. A carta prometida, com as exigências do PS, ainda nem seguiu para São Bento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)