Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É mais um evento tecnológico que sai da casa-mãe (país que detinha rotativamente a presidência do Conselho Europeu) para aterrar em Lisboa. Depois da Web Summit, o ICT2015. Entre 20 e 22 de outubro, o maior evento europeu dedicado às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e organizado pela Comissão Europeia vai decorrer no Centro de Congressos, em Lisboa. As mais de sete mil pessoas presentes vão poder conhecer o que de “melhor se faz na Europa em termos de tecnologia digital”.

Com ênfase na inovação, criatividade, empreendedorismo, tecnologia e ciência, o ICT 2015 vai contar com a presença de vários nomes relevantes para o setor na Europa, incluindo o comissário europeu para a economia digital, Günther H. Oettinger, e o comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas. A candidatura ao evento esteve a cargo da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e Lisboa venceu a países como Dinamarca e Holanda.

“Temos de acelerar o passo para a economia digital”, afirmou Mário Campolargo, Diretor de “Net Futures” na direção-geral CONNECT da Comissão Europeia, num encontro com jornalistas na quinta-feira de manhã, acrescentando que um dos objetivos do ICT 2015 passa por compreender as razões pelas quais o mercado único digital é a chave para a liderança industrial da Europa na economia digital.

Entre universidades, investigadores, investidores e empreendedores, investidores de capital de risco vai ser possível ouvir Konstantin Novoselov, distinguido com o Nobel da Física em 2010, por exemplo, e conhecer o plano de trabalho do Horizonte 2020 para 2016 e 2017. Nos próximos dois anos, há 12 mil milhões de euros dedicados a projetos que versem sobre a tecnologia digital.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No Centro de Congressos de Lisboa, vão decorrer cinco sessões plenárias, 15 sessões paralelas e um Forum Startup Europe. E vão estar expostos cerca de 100 projetos europeus, que mostram o que “de melhor se faz na Europa em termos de Investigação e Inovação em TIC”. Nesta exposição há três espaços: um reservado para a Comissão Europeia, outro para projetos portugueses e outro para internacionais.

“Concorremos à organização deste evento, porque temos uma cidade com condições muito atrativos. Temos uma comunidade científica, competitiva e muito avançada”, referiu Pedro Carneiro, da FCT.

Na Praça do Comércio, vai decorrer mais uma iniciativa, uma exposição interativa que versa sob o tema “O que é que o ICT europeu está a fazer por si?”, que pretende mostrar projetos que tenham impacto no dia-a-dia dos cidadãos. Aberto a partir das 17h, de domingo, tem as portas abertas a quem queria visitar os stands das 10h30 às 19h30 entre este domingo, 18 de outubro, e quarta-feira e das 10h30 às 17h00 na quinta-feira.

Entre os projetos presentes na Praça do Comércio, é possível ver de perto o Emote, de uma equipa de investigadores portugueses que desenvolveu tutores robóticos como instrumentos facilitadores de aprendizagem.

De acordo com o que é avançado pela Comissão Europeia, a economia relacionada com a internet cria cinco novos empregos por cada dois postos de trabalho que são perdidos em setores tradicionais. A economia digital europeia está a crescer a cerca de 12% ao ano, sendo já mais do que a economia belga, por exemplo, e há sete milhões de empregos no setor europeu das TIC.