Lisboa

Alguém levou o D. Sebastião das ruas de Lisboa

621

Não se sabe se foi numa manhã de nevoeiro. Certo é que a cópia do retrato do século XVI desapareceu da Rua do Loreto. Das 31 obras em exposição, quatro já foram levadas.

Onde estará o D. Sebastião?

Orlando Almeida / Global Imagens

Primeiro foi o “Inferno“, furtado a 1 de outubro, apenas dois dias depois de o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) ter colocado 31 quadros espalhados pela Baixa de Lisboa. Passada uma semana, foram levadas duas réplicas de uma vez, “Ruínas de Roma Antiga”, de Giovanni Paolo Pannini, e “Feira da Ladra na Praça da Alegria”, de Nicolas Delerive. Esta segunda-feira, o Observador notou que a parede onde estava o retrato de D. Sebastião está vazia.

As pessoas faziam fila junto a este D. Sebastião. Não propriamente para admirar o quadro, cujo original foi pintado entre 1571 e 1574 por Cristóvão de Morais e que continua a salvo no MNAA, mas para levantar dinheiro nas máquinas multibanco que ficam às portas do Bairro Alto. Não se sabe se desapareceu numa manhã de nevoeiro, como reza a história do jovem rei português, nunca mais visto após a Batalha de Alcácer-Quibir. Certo é que a exposição “Coming Out — e se o museu saísse à rua?” perdeu mais uma das suas obras.

Nada que apoquente o diretor do MNAA. Nos furtos anteriores, António Filipe Pimentel reagiu sempre com otimismo, preferindo destacar o facto de não haver vandalismo. “As pessoas levam os quadros. É curioso”, disse. Mantém a boa disposição, até porque, no final da iniciativa, vai ser publicado um catálogo com todas estas peripécias que mostram como a cidade interage com as réplicas. Tudo faz parte da experiência.

A exposição “Coming Out — e se o museu saísse à rua?” foi inspirada numa iniciativa da National Gallery, em Londres, e preparada durante meio ano em segredo, para surpreender a cidade. Nunca tinha sido feito nada assim em Portugal. As principais obras do museu foram replicadas fielmente, emolduradas e etiquetadas, tal como estão no museu, de forma a gerar a dúvida nas pessoas sobre se seriam as originais. Mas sem qualquer segurança a vigiar.

Os quadros só serão retirados da Baixa de Lisboa na noite de 1 para 2 de janeiro de 2016. Resta saber se a equipa do museu vai ter de carregar muito, pouco, ou nenhum peso. E se a réplica de D. Sebastião voltará alguma vez a ser vista.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)