Há cerca de vinte anos, Portugal e o resto do mundo foram atingidos por uma febre asiática que se instalou de forma agressiva. Essa febre tinha como nome Dragon Ball Z (DBZ), a continuação da série de manga e anime do autor japonês Akira Toriyama. Descrever esta autêntica pandemia é quase desnecessária porque quase todos o vivemos, e alegra-nos perceber que outra doença simultânea da época – “O Bicho” de Iran Costa – acabou por ceder ao tempo e que o frenético e inter-galáctico DBZ veio para ficar.

World_Tournament_1_1442419094_1442492215

Desde o final da série Dragon Ball GT já sem Toriyama ao leme em 1997, alguns filmes foram publicados e muitos, muitos videojogos foram lançados. Mas parece-me que foi nesta década que este revivalismo e a continuação da produção em torno de DBZ se tem tornado realmente efusiva. Em especial neste ano de 2015, em que foi lançado o mais recente filme da série, Dragon Ball Z: Resurrection ‘F’, no Japão e um jogo para quase todas as plataformas chamado Dragon Ball Xenoverse, que analisámos no início do ano no Rubber Chicken. Este jogo, para quem acompanhou muitos dos lançamentos da década passada vai ao encontro do sistema de combate dos jogos Tenkaishi Budokai (em 3D) e bebem muito da própria animação da série.

Dragon Ball Z em jogo de combate clássico

Mas esta semana a Bandai Namco lançou mais um jogo relacionado com a série, para a Nintendo 3DS, mas a contrastar por completo com os habituais jogos tridimensionais. Em Dragon Ball Z Extreme Butoden regressamos a um tempo áureo dos jogos de luta, àquelas longas tardes nos cafés da rua ou nos salões de jogos (relembro com saudades o do C.C. da Portela, cujas máquinas me consumiram demasiadas moedas de 20$). Extreme Butoden é completamente bidimensional, com animações feitas com recurso a sprites desenhadas em total união com o traço de Toriyama. Cada movimento habitual dos muitos personagens emblemáticos da série está lá reproduzido de forma fiel. Até as vozes originais (e não as memoráveis interpretações de Henrique Feist e companhia na versão portuguesa) lá estão, mantendo o máximo de fidelidade possível a um bom jogo de combate clássico para uma consola portátil.

SSGSS_Vegeta_1442419093_1442492215

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ao contrário de Xenoverse, este Extreme Butoden parece-me acessível a qualquer jogador: do mais fervoroso especialista em jogos de combate até ao maior entusiasta da milenar técnica de button mashing, que consiste no esmagamento consecutivo dos diversos botões na esperança de vencer pela exaustão o adversário. Muito simples ao nível dos controlos, com os habituais ataques fortes e fracos, projéteis de energia e salto, e um botão para carregar a energia (o Ki) dos personagens. Os combos são simples (porventura até demasiado simples) e todos os personagens, ao contrário de outros jogos, respondem à mesma sequência e combinação de botões. À exceção dos ataques especiais que têm comportamentos diferentes, basta que dominemos os controlos gerais do jogo para conseguir utilizar qualquer um dos muitos personagens disponíveis.

O elenco possível?

O elenco disponível é extenso, mas deixa um certo sabor agridoce aos fãs mais acérrimos de DBZ. Ainda que as mais recentes transformações de Goku estejam presentes (de cabelo vermelho e cabelo azul, atingindo o patamar divino na sua raça, tal como contado nos últimos filmes) estejam presentes, os personagens disponíveis para combater são algo limitados e algo “conservadores” quando comparados com outros jogos da série, que nos permitem utilizar personagens tão memoráveis como Yamcha e Tien. O facto de que grande parte desses personagens “favoritos” do público apareçam apenas como suporte não convence, deixa-nos a pequena amargura de podermos apenas controlar os personagens (heróis e vilões) ditos principais.

Z_Story_Bad_Guys_1442419094_1442492215

O outro ponto negativo deste jogo é a falta de funcionalidades online. O grande desafio dos fighting games dos dias de hoje é a possibilidade de medirmos as nossas habilidades contra jogadores de qualquer parte do mundo, em oposição ao que fazíamos há vinte anos quando nos digladiávamos pelo título de melhor jogador da rua ou da sala de jogos arcada que frequentávamos. Nos dias de hoje, a impossibilidade de jogarmos online limita em muito o tempo de vida útil de um jogo de combate, quase inviabilizando a aposta nele em comparação com outros jogos do género com capacidades de multijogador online.

Ainda assim, há muitos pontos positivos neste lançamento, sendo a nostalgia o maior. A abordagem de jogos de luta 2D com boas animações que nos transportam automaticamente para as máquinas de arcada e os controlos simples e acessíveis a todos. A portabilidade do jogo é outro aspeto positivo, já que podemos jogar a nossa 3DS em praticamente todo o lado (acreditem que já o tentei). E terminando no facto de que nos leva de volta para uma série e uma franquia que marcou (e marca) a cultura pop mundial, em que revisitamos um amigo de longa data, Goku, que até neste jogo demonstra que após vinte anos é possível encontrar novos níveis de poder. Mesmo que este poder caiba apenas numa consola portátil.

Ricardo Correia, Rubber Chicken