Pólonia e Áustria não se entendem sobre a propriedade da obra-prima A luta entre o Carnaval e a Quaresma, do artista renascentista Pieter Bruegel, O Velho, noticia o Financial Times. O quadro foi pintado em 1559 e representa um festival realizado no sul da Holanda. Os especialistas em arte estimam que a pintura esteja avaliada em cerca de 50 milhões de libras [cerca de 68 milhões de euros]. Apenas uma das das obras do artista holandês está em mãos privadas.

A Pólonia afirma que o quadro foi roubado pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. E alegadamente tem documentos que o provam. Foram descobertos registos nos arquivos do Museu Nacional de Cracóvia, com setenta anos, que referem que a mulher do governador nazi da cidade levou o quadro do museu em 1939, durante a ocupação da Polónia.

A obra de arte está atualmente no Museu Kunsthistorisches de Viena, que, por sua vez, alega que o quadro é propriedade do museu desde o século XVII. Segundo os responsáveis do museu vienense, a pintura retirada de Cracóvia por Charlotte von Wächter, mulher de Otto von Wächter, governador-geral de Cracóvia entre 1939 e 1942, a que alegadamente fazem referência os documentos polacos é outra.

Diana Blonska, a diretora do museu Cracóvia, publicou um artigo de análise aos documentos do arquivo do museu onde consta que a mulher de Wächter visitou o museu em 1939 e levou várias telas, entre elas a de Bruegel. E muitas das obras “acabaram nos antigos mercados de Viena”, refere o Financial Times.

A batalha administrativa entre os dois museus – e países – para tentar provar a proveniência da pintura da Renascença ainda agora começou e promete estar para durar. A Polónia vai pedir às autoridades austríacas uma investigação completa sobre a pintura para determinar se esta já pertenceu ao museu de Cracóvia. A reclamação das autoridades polacas não é um pedido isolado já que, nos últimos anos, tem canalizado esforços para tentar localizar e recuperar obras de arte e outros objetos que foram roubados durante a ocupação nazi.