Energia

Venda da Efacec a Isabel dos Santos foi concluída

Venda de 66% da Efacec Power Solutions pelos grupos José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves à empresária angolana Isabel dos Santos foi concluída. Ângelo Ramalho assume presidência executiva.

Diana Quintela / Global Imagens

Autor
  • Agência Lusa

A venda de 66,1% da Efacec Power Solutions (EPS) pelos grupos José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves à empresária angolana Isabel dos Santos foi concluída esta sexta-feira, anunciaram em comunicados os intervenientes no negócio.

A transação foi formalizada depois da aprovação dos reguladores, com destaque para a Autoridade da Concorrência. Na sequência do negócio foi indicada uma nova administração que será liderada por Ângelo Ramalho, que era presidente da Alstom Portugal. Entram ainda Francisco Nunes e Luís Delgado.

João Bento, que liderou a Efacec quando esta era controlada pelo grupo José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves, assumiu entretanto a presidência executiva da Gestmin, holding do empresário Manuel Champalimaud que é acionista da REN (Redes Energéticas Nacionais) e opera no negócio dos combustíveis e GPL.

Segundo a nota de imprensa divulgada pelas empresas portuguesas, a venda de sociedade focada os negócios da energia, ambiente e transportes “representa uma solução que privilegia o futuro da Efacec e maximiza o seu valor, reforçando a continuidade, o desenvolvimento da empresa e a preservação de um centro de competência ímpar no país”.

Já a sociedade Winterfell, maioritariamente detida pela empresária angolana Isabel dos Santos, que compra a Efacec, afirmou que a participação maioritária implica “uma visão de investimento estratégico e de longo prazo que permite reforçar financeiramente a Efacec, aumentar a sua capacidade de investimento e relançar a Efacec como centro de competências português com grande capacidade de internacionalização”.

A Efacec Power Solutions agrupa as atividades centrais do grupo Efacec, que inclui a energia, com transformadores, aparelhagem, automação e mobilidade elétrica, e engenharia, registando um volume de negócios de cerca de 500 milhões de euros anuais, tem uma equipa de 2.500 colaboradores e atividade em 80 países.

Os grupos José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves ficarão agora como acionistas minoritários da EPS, através da sociedade MGI capital.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Produtividade: a culpa é da mão de obra?

Fernando Pinto Santos

De quem é a culpa da baixa produtividade do trabalho em Portugal? Da mão de obra? Sim, mas é só um dos fatores. Falta também maior eficiência dos fatores produtivos e maior capacidade para criar valor

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)