O embaixador angolano em Portugal, Marcos Barrica, acusa Portugal de “diabolizar Angola” e de estar em curso uma “campanha para denegrir a imagem” daquela ex-colónia portuguesa.

Em causa está a situação de Luaty Beirão, o rapper luso-angolano em greve de fome desde 20 de setembro.

“O problema do cidadão Luaty Beirão apenas é um pretexto para fazer ressurgir aquilo que em Portugal sempre se pretendeu: diabolizar Angola”, disse Marcos Barrica, segundo o Jornal de Angola, o jornal estatal angolano.

Para Barrica decorre em Portugal “uma campanha para denegrir a imagem de Angola e abafar as conquistas alcançadas ao longo dos 40 anos de independência, por causa de um indivíduo que em Portugal é mais falado do que o Papa”. Isto é, Luaty Beirão.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O embaixador referiu ainda que Angola não interfere em assuntos portugueses: “Fiel aos bons costumes e ao princípio de não-ingerência, jamais Angola ousou questionar ou exercer pressão de qualquer espécie sobre decisões de entidades portuguesas, por constituírem assuntos internos deste Estado soberano”.

Da mesma forma, deixa a entender que José Eduardo dos Santos não deve tomar uma posição pública quanto ao caso dos 15 pesos políticos e recusa que possa haver promiscuidade entre o poder político e o poder judicial angolano: “O Presidente da República não pode fazer o papel que cabe aos tribunais, interferindo no tratamento de matéria sob a alçada do poder judicial”.