Pelo menos 58 pessoas foram detidas na Guatemala, no sábado, quando entrou em vigor a lei seca, devido à segunda volta eleitoral para a presidência, que decorre este domingo, informou a polícia.

A Guatemala ativou, pelas 12h00 de sábado (18h00 em Lisboa) a Lei Seca, que proíbe a venda e consumo de bebidas alcoólicas por ocasião das eleições, em que mais de 7,5 milhões de pessoas vão eleger o Presidente do país para os próximos quatro anos.

A medida, contemplada no artigo 223.º da Lei Eleitoral e de Partidos Políticos, vai estar em vigência até à manhã de segunda-feira. A normativa pretende garantir que os guatemaltecos se deslocam sóbrios às urnas para depositar o seu voto de forma consciente.

A polícia nacional civil indicou que as detenções aconteceram em diferentes pontos do país e incluíram vários menores, sem especificar quantos e de que idade.

A Guatemala realiza este domingo a segunda volta eleitoral para escolher o próximo Presidente do país. Os eleitores devem escolher entre o comediante Jimmy Morales, da Frente de Convergência Nacional, e a ex-primeira dama (2008-2011) Sandra Torres, da Unidade Nacional de Esperança. Morales e Torres conquistaram os dois primeiros lugares nas eleições gerais do passado dia 6 de setembro.