Rádio Observador

Cancro

Austrália considera “farsa” comparar carne e tabaco

456

A Austrália, um dos maiores exportadores mundiais de carne, ridicularizou hoje um relatório da OMS que diz que a carne processada é cancerígena, considerando-o uma "farsa".

A Austrália, um dos maiores exportadores mundiais de carne, ridicularizou hoje um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) que diz que a carne processada é cancerígena, considerando uma “farsa” sugerir que pode ser tão letal como o tabaco. “Não, não deve ser comparada aos cigarros e obviamente isso faz com que tudo isso seja uma farsa — comparar salsichas a cigarros”, afirmou o ministro da Agricultura australiano, Barnaby Joyce à rádio nacional.

Lembramos que a classificação da Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro (IARC, na sigla em inglês) se limita a avaliar as provas científicas que ligam um agente ao aparecimento de cancro e que nada diz sobre o risco que cada agente constitui (como lhe explicamos aqui).

O “mais importante” a fazer é garantir uma “dieta equilibrada”, dado que é impossível para os humanos evitar todo o tipo de cancro causado por toxinas na vida moderna, assinalou.

Um estudo divulgado na segunda-feira pela Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro adverte que a carne processada — como bacon, salsichas ou presunto — é cancerígena para os seres humanos e que a carne vermelha “provavelmente” também o é.

O grupo de trabalho da IARC, agência que depende da OMS, teve em consideração mais de 800 estudos que investigaram a associação de mais de uma dúzia de tipos de cancro com o consumo de carne vermelha e de carne processada em vários países e populações com diferentes dietas.

O estudo coloca a carne processada na categoria 1 dos cancerígenos, o mesmo grupo que inclui substâncias como o álcool, amianto e tabaco. “Se pegarmos em tudo o que a Organização Mundial de Saúde afirma ser cancerígeno e tirarmos das necessidades diárias, somos capazes de voltar à caverna”, sublinhou ainda o ministro australiano.

Os australianos estão entre os maiores consumidores de carne do mundo. Também têm a oitava maior taxa de incidência de cancro colorrectal.

O relatório da IARC refere que a ingestão diária de 50 gramas de carne processada — menos de duas fatias de bacon — aumenta em 18% a probabilidade de desenvolver cancro colorrectal (também conhecido como cancro do intestino). No entanto, só quando o relatório for publicado integralmente se poderá perceber o que os autores entendem com este aumento.

O documento foi elaborado por um grupo de trabalho composto por 22 especialistas de dez países, que foram convocados para o Programa de Monografias da IARC, organização com sede na cidade francesa de Lyon.

O grupo de trabalho considerou que existem “provas suficientes” de que a ingestão de carne processada está ligada ao cancro colorrectal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)